Entenda como é a adaptação dos antidepressivos no organismo

Em alguns casos são necessários meses para se obter os efeitos propostos pelo medicamento

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O primeiro boletim Pílula Farmacêutica desta semana explica como funciona a adaptação dos medicamentos antidepressivos no corpo dos pacientes.

Cada organismo leva um certo tempo para se ajustar aos antidepressivos; em alguns casos, pode levar até meses para se notar os efeitos desejados do medicamento.

Existe a possibilidade de mudanças negativas durante esse período, como aumento da tendência suicida. Isso pode acontecer por vários motivos, entre eles o fato de o cérebro do paciente estar tentando se adaptar às alterações químicas, podendo resultar em comportamentos e pensamentos incomuns.

Portanto, é de extrema importância lembrar que o acompanhamento de um psicólogo, no início do tratamento, é indispensável, para que, assim, o paciente não faça nada que coloque sua vida em risco e, dessa maneira, possa entender melhor o processo de adaptação ao medicamento.

O boletim Pílula Farmacêutica é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade. Trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •