Falta de acesso à energia elétrica ainda é uma realidade no Brasil

Ao mesmo tempo que se fala muito sobre sustentabilidade e conservação do meio ambiente, além de temas como energia limpa e renovável, as famílias sem acesso às modernidades energéticas se veem obrigadas a recorrer a outras fontes

 Publicado: 14/05/2024
Por

 

No Brasil, o cenário é de muitas famílias voltando a usar lenha e até mesmo álcool no lugar de GLP – Foto: István Asztalos via Pixabay – CC
Logo da Rádio USP

O conceito de pobreza energética não diz respeito somente à falta de distribuição de energia elétrica, mas ao acesso a serviços elétricos modernos. “Quando a questão é a dificuldade de se acessar os serviços modernos de energia, tais como a eletricidade e o gás liquefeito de petróleo (GLP), o popular gás de cozinha, temos, nesse caso, a manifestação da ‘pobreza energética’”, explica o professor Fernando de Lima Caneppele, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP.

Por mais que seja um termo de âmbito mais técnico, o professor comenta que a presença da palavra “pobreza” se relaciona bastante com condições econômicas: “Existe uma forte relação entre esses conceitos de pobreza, uma vez que a falta de renda limita o acesso à energia, que pode ser um instrumento na melhoria da renda das famílias, é um círculo vicioso”.

Impacto

Fernando de Lima Caneppele – Foto: e-aulas

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2022, 99,8% dos domicílios brasileiros tinham energia elétrica. Mesmo assim, a pobreza energética ainda precisa ser discutida. Ao mesmo tempo que se fala muito sobre sustentabilidade e conservação do meio ambiente, além de temas como energia limpa e renovável, as famílias sem acesso às modernidades energéticas se veem obrigadas a recorrer a outras fontes.

“Quando não há o acesso aos energéticos modernos, a substituição natural é feita com alternativas de qualidade inferior como a lenha, o querosene e as pilhas secas. São alternativas com várias desvantagens, que vão desde a baixa eficiência, maior emissão de gases causadores do efeito estufa, riscos à saúde”, ressalta Caneppele.

No Brasil, o cenário é de muitas famílias voltando a usar lenha e até mesmo álcool no lugar de GLP, por exemplo, para aquecer e preparar comida, como diz o professor. “Então, não basta apenas gerar energia limpa, há de se ter condições econômicas e dignas para que a população em geral participe do que chamamos de transição energética, que está em pleno andamento”, complementa.

*Sob supervisão de Cinderela Caldeira e Paulo Capuzzo


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.