Testes revelam resistência de bactéria causadora de diarreia

Descoberta ajuda a traçar estratégias para prevenir a contaminação, inclusive no preparo de alimentos

  • 741
  •  
  •  
  •  
  •  
Imagem feita em microscópio eletrônico de bactéria do gênero Campylobacter, que possui espécies causadoras de gastroenterite (diarreia) em seres humanos – Foto: cedida pela pesquisadora

.
Análise dos genes da bactéria Campylobacter coli, causadora de diarreia em seres humanos, revela que o micro-organismo pode resistir ao controle da proliferação em alimentos, uma das principais fontes de contaminação. A conclusão é de pesquisa da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP. O estudo foi realizado com bactérias coletadas em seres humanos, animais, alimentos e ambiente nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Ribeirão Preto. Os resultados poderão servir para nortear estratégias de prevenção da contaminação, inclusive no preparo de alimentos.

“A doença decorrente da infecção por bactérias do gênero Campylobacter é uma zoonose de distribuição mundial com repercussões significativas em termos de saúde pública e com um elevado impacto socioeconômico”, afirma a professora Juliana Pfrimer Falcão, da FCFRP, que orientou a pesquisa de doutorado de Carolina Nogueira Gomes. “Usualmente, esse gênero de bactérias causa gastroenterite (diarreia)”.

A campilobacteriose é clinicamente indistinguível das infecções causadas por outros micro-organismos, como Salmonella e Shigella, por exemplo. “A principal rota de transmissão de Campylobacter, especificamente das espécies Campylobacter coli e Campylobacter jejuni, para seres humanos, é a manipulação e o consumo de carne de frango malcozida”, relata a professora, “atividades em águas recreacionais, contato com animais portadores, incluindo animais de estimação, e consumo de leite não pasteurizado”.

As linhagens de Campylobacter coli estudadas são provenientes das coleções de Campylobacter (CCAMP) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e do Instituto Adolfo Lutz (IAL) de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. “Elas foram isoladas de seres humanos, animais, alimentos e ambiente nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Belo Horizonte (Minas Gerais) e Ribeirão Preto, no período de 1995 a 2011”, afirma Juliana.
.

Placa com colônia da bactéria Campylobacter coli cultivada em laboratório para estudos sobre sua resistência a condições de estresse – Foto: cedida pela pesquisadora

.
Virulência

As amostras foram analisadas quanto a presença de 16 genes relacionados a virulência e foi avaliada a sobrevivência dessas linhagens após a exposição a diferentes condições de estresse, tais como: flutuação de temperatura, tolerância de presença de 7,5% de coleto de sódio (NaCl) e sobrevivência ao estresse ácido e oxidativo. “A exposição da bactéria a condições de estresse tem como objetivo imitar as etapas de processamento de alimentos, a transmissão do ambiente para o hospedeiro humano e a sobrevivência durante a infecção”, conta Carolina.

Professora Juliana Pfirmer Falcão e a pesquisadora Carolina Nogueira Gomes: estudo pode nortear estratégias de prevenção da contaminação – Foto: Gabriel Girardi

Os resultados demonstraram que a sobrevivência frente a diferentes condições de estresse é uma característica dependente da linhagem da bactéria. “Entretanto, as altas taxas de crescimento e sobrevivência das linhagens estudadas são resultados importantes, pois demonstram que essas linhagens não teriam seu crescimento inibido por algumas das medidas de controle de crescimento bacteriano utilizadas em alimentos”, aponta a pesquisadora. “Assim, além dos dados caracterizarem as linhagens circulantes no Brasil, eles podem servir para nortear estratégias de prevenção da contaminação por Campylobacter.

De acordo com Juliana e Carolina, as principais formas de evitar a contaminação pela bactéria são lavagem das mãos antes, durante e após o preparo de alimentos e depois de tocar em animais, seus alimentos ou pertences. “Tábuas de corte e facas utilizadas no preparo de carnes, frango e frutos do mar devem ser usadas separadamente dos demais alimentos e higienizadas corretamente”, explica a professora. “Os alimentos devem ser cozidos na temperatura adequada e não se deve consumir leite não pasteurizado e água não tratada.”

.

.

O estudo teve a colaboração da pesquisadora Marta Inês Cazentini Medeiros, do IAL de Ribeirão Preto, e da pesquisadora Sheila da Silva Duque, da Fiocruz, que concederam as linhagens utilizadas nesse trabalho. Além disso, a professora Fátima Maria Helena da Silva auxiliou na realização das análises estatísticas.

Mais informações: e-mail jufalcao@fcfrp.usp.br, com a professora Juliana Pfirmer Falcão

  • 741
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados