O brasileiro está dormindo cada vez menos e isso não é bom

Falta de sono pode prejudicar a saúde, memória e até mesmo a sexualidade, explica especialista do HC-FMRP

Uma boa noite de sono é primordial para a saúde e a realização das atividades do dia a dia. Segundo dados colhidos entre 2018 e 2019 pela Associação Brasileira do Sono (ABS), a população brasileira está dormindo menos; de 6,6 horas por dia em 2018 passou a 6,4 horas por dia em 2019. 

A pesquisadora Paula Kageyama, do Centro de Medicina do Sono do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HC-FMRP) da USP, explica que o fenômeno preocupa os profissionais da saúde que cuidam do sono, porque  dormir corretamente é de extrema importância para a saúde física e mental. 

Não dormir o suficiente com frequência pode prejudicar a memória, concentração, desempenho intelectual e até o humor. Além disso, Paula explica que a falta de qualidade do sono gera consequências futuras, colaborando no aparecimento de doenças como diabete, obesidade, pressão alta, problemas cardíacos, baixa resistência e até mesmo o prejuízo da sexualidade. 

Alimentação saudável e exercícios físicos regulares, assegura a pesquisadora, podem ajudar o paciente a ter noites melhores. Porém, também é importante realizar a higiene do sono, uma prática comportamental e ambiental que envolve medidas como não utilizar aparelhos eletrônicos, manter o quarto escuro e não ingerir comidas pesadas e bebidas alcoólicas ou com cafeína antes do dormir. Essas atitudes podem melhorar a qualidade do sono do brasileiro.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.