Rinite alérgica afeta cerca de 40% da população mundial

Especialista diz que a doença piora com o tempo seco e afeta especialmente as crianças, interferindo no rendimento escolar

jorusp

Segundo a Organização Mundial da Alergia (WAO, na sigla em inglês), cerca de 30% a 40% da população mundial sofre com rinite alérgica, doença que, como a asma e a conjuntivite alérgica, são desencadeadas mais facilmente no inverno devido ao tempo seco. Para saber mais sobre suas causas e prevenção, o Jornal da USP no Ar conversou com Fábio Morato Castro, professor da Faculdade de Medicina (FM) da USP que ministra a disciplina de Imunologia Clínica e Alergia do Departamento de Clínica Médica.

O sistema respiratório fica mais fragilizado quando é submetido ao contato constante com o ar seco. “Situações comuns no inverno, como mudanças bruscas de temperatura, tempo frio e seco e aumento da poluição são fatores que potencializam o desenvolvimento de doenças”, explica o especialista. Ele conta que o principal motivo é a baixa umidade do ar, que resseca as mucosas do organismo, primeira defesa contra vírus e bactérias, e, por isso, o indivíduo fica mais vulnerável: “Em relação a conjuntivites alérgicas, por exemplo, vários poluentes acabam ressecando nariz, boca e garganta, o que pode resultar numa inflamação e o desenvolvimento de problemas mais sérios”.

Doenças respiratórias. Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Segundo Castro, outro fator é o contato com ácaros: “No Brasil é comum que cobertores e casacos de frio fiquem guardados por muito tempo e, quando esfria, as pessoas apenas passam a usá-los. O problema é que os ácaros podem provocar alergias, e no período do inverno esses quadros podem se agravar, evoluindo de um processo inflamatório a uma infecção bacteriana”. Isso afeta diretamente a qualidade de vida das pessoas, principalmente a de crianças, já que “a obstrução nasal pode atrapalhar o sono e, não conseguindo dormir, a capacidade de concentração cai, prejudicando seu rendimento escolar. A respiração oral pode causar mau hálito e inclusive interferir no desenvolvimento dentário, fazendo com que a criança tenha que usar aparelho mais tarde”, conta.

Caso esses sintomas sejam identificados, é necessário procurar uma avaliação médica para que se faça o diagnóstico correto. A partir disso, o melhor tratamento será indicado, mas o professor adianta que ele não se restringe apenas ao uso de medicamentos como antibióticos e corticoides.”Primeiro é necessário identificar e remover o motivo que desencadeia o processo alérgico, como poeira ou o contato com pelos de gatos e cachorros. Passamos cerca de 92% a 98% do nosso tempo em ambiente fechado, sendo que 60% é em casa e, principalmente, no nosso quarto. Por isso precisamos tomar essas medidas, além de buscar um tratamento que controle dos sintomas e até mesmo partir para a imunoterapia, mais conhecida como ‘vacina’, que atua na imunização da pessoa para melhorar a resistência contra os alérgenos”, orienta Castro. Também é indicado realizar o teste de alergênicos, tomar muita água em dias secos, fazer lavagens nasais com soro (desde que moderadamente) e tomar a vacina contra a gripe.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •