Produção científica brasileira tem reconhecimento mundial

Os professores Marco Antonio Zago e Marcos Silveira Buckeridge comentam a ciência produzida no Brasil no “Diálogos na USP”

 

Para longe de pensamentos obscurantistas, é fato que o desenvolvimento científico e tecnológico no Brasil constitui condição essencial para um verdadeiro desenvolvimento socioeconômico e para a implantação de uma sociedade mais justa no País. A nossa produção científica praticamente dobrou do começo para o fim da primeira década do século 21 e continuou sua ascensão consistente.

Essa expansão notável, fruto de algumas políticas muito bem estruturadas, foi baseada na capacidade de produzir ciência das universidades públicas brasileiras, como a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), duas grandes universidades estaduais paulistas, além de outras universidades federais, como a do Rio de Janeiro (UFRJ), a de Minas Gerais (UFMG) e a do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mais de 95% da produção científica do Brasil nas bases internacionais deve-se à capacidade de pesquisa de suas universidades públicas.

Programa Diálogos na USP discute a “Ciência – rumos da ciência no Brasil”,  com os professores e pesquisadores Marco Antonio Zago e  Marcos Buckeridge – Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

De acordo com uma pesquisa feita pela Clarivate Analytics, o Brasil, no período de 2011 a 2016, publicou mais de 250 mil artigos na base de dados Web of Science em todas as áreas do conhecimento, correspondendo à décima terceira posição na produção científica global, na qual se apresentam mais de 190 países.

No entanto, o contingenciamento das verbas das universidades públicas federais e o corte de bolsas e de financiamentos podem colocar em risco as conquistas científicas brasileiras, além de fazer com que muitos pesquisadores procurem no exterior um porto mais seguro.

Para falar sobre a situação atual da ciência no Brasil, o Diálogos na USP recebeu os professores Marco Antonio Zago, ex-presidente do CNPq, ex-reitor da USP e atual presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e Marcos Silveira Buckeridge, diretor do Instituto de Biociências da USP e ex-presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo.

Marco Antonio Zago destacou que a ciência brasileira se fortaleceu muito nas duas últimas décadas, adquirindo reconhecimento mundial. Ainda assim, ele disse acreditar que “existe uma divisão muito nítida entre o potencial do País como um todo e do Estado de São Paulo, que tem um vigor obviamente muito mais evidente”.

Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Marcos Silveira Buckeridge salientou que não há mais uma distinção entre laboratórios brasileiros e estrangeiros, além de ressaltar áreas nas quais a ciência brasileira vem despontando, como a agricultura e a engenharia. “Nós temos uma produção científica não só muito boa em si, mas que também veio fornecendo produtos que realmente fazem uma diferença na sociedade hoje. A ciência não ficou só na produção científica”, afirmou.

Zago lembrou o exemplo dado pela Alemanha, que decidiu investir 42 bilhões de euros nas universidades para formar novos pesquisadores. “É um país que tem uma economia muito forte e tem uma longa tradição tanto de educação superior como de pesquisa de qualidade e que sempre pode ser visto como uma referência”, disse o professor. Ele também comentou que “a Alemanha baseia o seu desenvolvimento e o seu sucesso econômico principalmente no conhecimento, na ciência e na tecnologia”.

Já  Buckeridge atentou para os professores que “estão com a tocha na mão”. Para ele, estes são pesquisadores que “estão literalmente no escuro. Eles estão discutindo sobre coisas que ninguém se interessa, mas que daqui há dez, 20 anos, irão se tornar aplicáveis”. O professor também apontou que “é muito barato, em relação ao todo, fazer esse tipo de pesquisa ‘com a tocha na mão'”, e que os projetos seguintes, visando a aprofundar os resultados iniciais e buscando aplicações, seriam os mais custosos.

Acompanhe a íntegra do programa pelos links acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •