Manchas vermelhas na pele podem ser tumores vasculares benignos

Especialista conta quais os tratamentos indicados para os chamados hemangiomas, comuns em bebês

jorusp

Hemangiomas são manchas vermelhas que indicam acúmulo anormal de vasos sanguíneos na pele ou nos órgãos internos e podem ocorrer em qualquer parte do corpo. Esses tumores vasculares benignos são muito comuns em bebês e tendem a desaparecer ao longo do tempo. No entanto, dependendo do caso, recomenda-se algum tipo de tratamento. Jornal da USP no Ar conversou com o doutor Walter Campos Junior, cirurgião vascular do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) para saber mais sobre o assunto.

Existem dois tipos de hemangiomas: os congênitos, presentes desde o nascimento, que representam 30% dos casos em bebês, e os infantis, que se desenvolvem nos primeiros meses de vida. O especialista conta que esses tumores surgem “por um aumento do endotélio vascular, que resultam em formações vermelhas mais planas ou protuberantes na pele, parecidas com pequenos morangos”.

O doutor explica que é necessário atenção no diagnóstico, pois o hemangioma é muito confundido com outra doença mais grave, chamada de malformação arteriovenosa, que diz respeito a vasos anômalos, e não à formação de tumores. “Existe uma confusão, inclusive na área médica, em colocar as malformações vasculares no mesmo pacote que o hemangioma. A classificação correta é importante, pois os tratamentos são diferentes. Os hemangiomas são bem mais benignos, cerca 90% dos casos em crianças regridem, enquanto a outra doença pode ser mais preocupante”, relata.

Infantile hemangioma – Foto: Gstk via Wikimedia Commons/CC BY-SA 4.0

Além da questão estética, o hemangioma pode causar problemas funcionais, principalmente quando afeta algum órgão. “Se o tumor cresce próximo ao globo ocular ou à narina de uma criança, ele pode fechar esses orifícios. E uma criança que fica com o olho fechado por muito tempo, por exemplo, pode perder a visão. Isso deve ser tratado com medicamentos para o coração, como betabloqueadores, ou pode ser necessária uma intervenção com cirurgia plástica, medidas fundamentais para preservar a função do olho e impedir o desenvolvimento de uma cegueira”, conta o cirurgião.

Campos Junior explica que também existem casos hepáticos, ou seja, hemangiomas presentes no fígado, geralmente em pessoas já adultas. Por sensibilizar vasos sanguíneos em função do tumor, sangramentos podem acontecer tanto nos órgãos quanto na pele, o que altera a gravidade do caso. “Isso pode causar traumas, que precisam de curativos compressivos, por isso deve-se procurar um médico para receber o tratamento adequado, que pode ser um procedimento dermatológico chamado crioescleroterapia, no qual é utilizado gelo seco para cauterizar os vasos”, conta.

Dermatologistas e cirurgiões vasculares são os profissionais mais indicados na assistência de um paciente com esse problema. O doutor conta que “o atendimento em casos de hemangioma é multidisciplinar. Temos um grupo no HC de cirurgiões vasculares, radiologistas intervencionistas, cirurgiões plásticos, dermatologistas que trata tanto de hemangiomas quanto de malformação arteriovenosas. Por conta disso, a busca por tratamentos com especialistas é o mais indicado”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •