Liderada pelo Brasil, Minustah será seguida de nova ação da ONU

País levou 36 mil militares, investiu 2,5 bi durante 13 anos no Haiti e trouxe relevância às Forças Armadas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Desde 2004, o Haiti recebe a Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), com a liderança militar do Brasil. A missão será encerrada em outubro deste ano e será seguida de outra operação da ONU, mas, dessa vez, o foco será na reconstrução da infraestrutura e aparato jurídico do país.

Último contingente Brasileiro para Missão de Manutenção da Paz (MINUSTAH) no Haiti. Foto:Tereza Sobreira via Fotos Públicas

Pesquisador do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional da Unesp, Leonardo Dias explica que a gravidade dos problemas haitianos impede que resoluções rápidas sejam implementadas. O processo de melhora é delicado devido à instabilidade política e à situação econômica. Ele pondera que, apesar do volume considerável, os gastos realizados na Minustah devem ser vistos como investimento na relevância brasileira e das Forças Armadas no mundo.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados