Inteligência Artificial é usada para descartar currículos mal-elaborados

Adriana Caldana recomenda a quem busca por colocação no mercado de trabalho deixar os currículos enxutos e ativos nas plataformas de emprego

 08/02/2022 - Publicado há 5 meses
Por
Existem cursos com profissionais de tecnologia da informação que ensinam a conectar o currículo do candidato às palavras-chaves – Montagem feita por Guilherme Castro/Jornal da USP com imagens de Freepik

Recente pesquisa sobre recursos humanos mostrou que 45% dos recrutadores levam apenas 20 segundos para descartar um currículo. Essa rapidez, conta a professora Adriana Caldana, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, é explicada pelo uso cada vez mais frequente da Inteligência Artificial nessas triagens.

Adriana Caldana – Foto: USP Imagens

Segundo a professora, pelo grande volume de currículos recebidos, as organizações estão usando a tecnologia para filtrar dados disponibilizados em nuvens e internet e comparar com as habilidades requeridas pela vaga, realizando a triagem em questão de microssegundos. Por isso, recomenda a quem busca por colocação no mercado de trabalho deixar os currículos enxutos e ativos nas plataformas de emprego e também associar ao perfil palavras-chave relacionadas à vaga pretendida. Os cuidados podem evitar o descarte de candidatos, feito quase que imediatamente por 68% dos recrutadores, por “falta de experiência” constatada em má estruturação do currículo. 

Informa a professora que existem até cursos com profissionais de tecnologia da informação que ensinam a conectar o currículo do candidato às palavras-chave verificadas pelos recrutadores ou até mesmo pelas plataformas digitais de emprego. “Antigamente a gente ensinava como desenhar o currículo, hoje é mais comum a gente dar dicas, como associar as palavras-chave ao nosso perfil profissional”, diz. 

A dica do consultor de Recursos Humanos Danilo Egéa Marques é destacar as habilidades, conhecimentos e competências que atendem ao perfil da vaga. Para a tomada de decisão, a referência do recrutador “é o conjunto de habilidades que o candidato coloca no currículo”, afirma Marques.

Já a empresária de RH Renata Torres, que é especialista em diversidade e liderança, acredita que a melhor avaliação não deve ser feita às pressas e exige um recrutador atento e focado. É importante, garante, procurar as informações relevantes, já que o currículo pode não estar “tão bem estruturado e um bom candidato pode ser descartado”. Renata alerta ainda a respeito de processos seletivos “um pouco enviesados” em que os gestores não selecionam candidatos pelas suas habilidades, mas por identificação de raça ou de gênero, por exemplo.

De toda forma, Marques concorda que o descarte rápido pode, sim, eliminar um bom candidato, mas alerta para a responsabilidade sobre a construção de um bom currículo que é devida a quem busca pela vaga.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.