Influenciador digital é o responsável por 40% das compras feitas pelo consumidor brasileiro

Elizabeth Saad explica que os blogueiros dos anos 2000 migraram para as plataformas digitais, passaram a ter mais visibilidade e, consequentemente, seguidores que compartilham as mesmas ideias

 17/08/2021 - Publicado há 4 meses
Por

 

Muitos influenciadores digitais são apenas “concentradores de audiência”, que levam para suas redes sociais marcas importantes do mercado – Foto: Gerd Altmann – Pixabay

Curta, compartilhe, arrasta para cima. Quem nunca? Não é preciso ser nenhum expert em mídias sociais para já ter se deparado com essas palavras, ou frases de efeito, sendo publicadas por pessoas que, de alguma maneira, exercem influência por meio das redes sociais. Só para se ter uma ideia: o investimento no marketing digital feito por empresas de diferentes segmentos em 2019 teve um crescimento de cerca de 70%, com valores que chegam à cifra de R$ 1,5 milhão. Esse novo formato de comunicação surgiu no Brasil em meados de 2012 e teve um aumento exponencial no ano de 2018, com o protagonismo dos influenciadores digitais na divulgação de produtos recebidos/comprados.

Mas em que momento o “meio digital” passou a ter influência na ”vida real” das pessoas? A coordenadora do grupo de pesquisa Com Mais, que trabalha com temas da sociedade digital, Elizabeth Saad, professora titular sênior do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, explica que é “importante lembrar que houve uma evolução do papel do blogueiro, que surgiu no ano 2000, que tinha essa atividade de colocar as suas opiniões em blogs. Com o passar dos anos e o surgimento das plataformas digitais, eles migraram para esses novos veículos e passaram a ser os influenciadores”, avalia.

Na verdade, muitos influenciadores digitais são apenas “concentradores de audiência”, que levam para suas redes sociais marcas importantes do mercado. Em 2021, o Brasil superou a China e assumiu o posto de país em que o público consumidor é o mais impactado pela influência digital. Levantamento do setor aponta que 40% dos consumidores brasileiros já compraram algum produto em razão do trabalho feito por um “influencer”.

O futuro desses influenciadores digitais dificilmente será alterado nos próximos anos. A mudança deve ocorrer no número de seguidores. Restará saber se essa visibilidade obtida em um determinado momento se manterá consolidada nos próximos meses ou até anos. A pesquisadora Elizabeth Saad, coordenadora do grupo de pesquisa do site  www.commais.org, convida os interessados no assunto a visitarem o endereço digital, onde vários estudos sobre o tema já foram publicados.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.