Floresta amazônica, pela primeira vez, mostra sinais de esgotamento

De acordo com o pesquisador Carlos Nobre, a floresta não consegue mais remover o gás carbônico da atmosfera

 11/08/2021 - Publicado há 4 meses
Por
Foto Nasa
Estudo publicado na revista Nature mostra que as queimadas foram provocadas pelo homem e não por causas naturais

O desmatamento na floresta amazônica atingiu índices superiores a 30%, apresentando uma grande alteração no clima, principalmente na estação seca, que são nos meses de agosto, setembro e outubro.

Com isso, a estação ficou mais seca, mais quente e mais longa, representando um período de grande estresse para a floresta. Essas regiões apresentaram uma emissão de carbono dez vezes maior que as regiões com desmatamento inferior a 20%.

Um estudo, que traz o resultado de nove anos de pesquisas, publicado na revista Nature, mostra que as queimadas foram provocadas pelo homem e não por causas naturais.

O pesquisador Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, especialista nas áreas de mudanças climáticas e Amazônia, alerta que, pela primeira vez, a floresta mostra sinais de esgotamento e não consegue mais remover o gás carbônico da atmosfera.

O artigo Amazônia como fonte de carbono ligada ao desmatamento e mudanças climáticas traz o estudo desenvolvido pelo Inpe, com participação de diversos cientistas, institutos e universidades brasileiras e estrangeiras.

O resultado desse estudo mostra que a Amazônia está se encaminhando para uma savana, de acordo com o alerta feito pelo especialista ainda em 1990, no qual aponta para uma Amazônia com menos biodiversidade. “O pior é que o quadro é irreversível, principalmente na região sul da Amazônia, mudando radicalmente a fauna e a flora dos ecossistemas terrestre e aquático, que devem se transformar em uma savana tropical degradada.”

Países como Peru, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa e Suriname, que também ficam na região sul, não correm tanto risco quanto o Brasil justamente porque se beneficiam de uma incidência de chuva muito grande, o que acaba protegendo de alguma forma a floresta.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.