Entenda o que é toxicidade neonatal e tardia

Causada pelo uso de antidepressivos na gravidez, a toxicidade traz complicações para os recém-nascidos

O boletim Pílula Farmacêutica desta edição fala sobre toxicidade neonatal e toxicidade tardia, que podem ocorrer em alguns casos devido ao uso de psicofármacos durante a gestação. 

 A toxicidade neonatal, ou síndrome de abstinência, consiste em síndromes perinatais, com sintomas físicos e comportamentais que ocorrem logo após o nascimento do bebê.

Os recém-nascidos de mulheres que realizaram tratamento com antidepressivos tricíclicos podem apresentar sintomas neonatais transitórios de toxicidade ou abstinência,  por meio de dificuldade de sucção, retenção urinária e agitação.

As gestantes que fizeram o uso de antidepressivos Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS), no final da gestação, também podem perceber alguns efeitos adversos nos neonatos, como distúrbios respiratórios leves, vômitos e retardo no choro.

Já a toxicidade comportamental tardia consiste no risco de sequelas pós-natais que incluem anormalidades neurocomportamentais em crianças que foram expostas a psicofármacos na fase intrauterina.

O boletim é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade. Trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.