Banco de dados desatualizado dificulta doação de medula óssea

Segundo Eduardo Rego, a dificuldade é manter um banco de dados extenso e atualizado, porque às vezes é possível encontrar um doador compatível, mas não é possível rastreá-lo devido a informações inválidas

 11/03/2021 - Publicado há 3 anos
Por
As leucemias são basicamente uma proliferação maligna de células imaturas, o que prejudica a imunidade e a coagulação do sangue – Foto: Wikimedia Commons CC

As leucemias atingiram cerca de 5.920 homens e 4.890 mulheres em 2020, apontam dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). A doença é tratável e, quanto maior a precocidade do diagnóstico, maiores são as chances de cura. O tratamento vai desde a quimioterapia até o transplante de medula óssea. 

As leucemias são basicamente uma proliferação maligna de células imaturas, o que prejudica a imunidade e a coagulação do sangue, causando diversas reações, como hemorragias, anemias e manchas roxas pelo corpo, como explica o professor Eduardo Rego, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), especialista em Hematologia: “Quando a gente tem algumas mudanças genéticas adquiridas nessas células na medula, elas passam a proliferar de maneira inadequada, além também de outros processos como a própria regulação da morte natural das células, que é um processo de apoptose e de senescência e também de outros mecanismos de controle ali do próprio ambiente medular”.

O diagnóstico é importante para aumentar as chances de cura das leucemias. Quanto mais cedo a doença é descoberta, menor é a massa tumoral, facilitando a erradicação. O tratamento depende do tipo de leucemia e consiste em observação em casos de linfoma indolente, que são menos agressivos; quimioterapia ou até o transplante de medula óssea. “É sempre importante o diagnóstico precoce para doenças malignas, isso porque estamos falando de uma doença que se caracteriza por uma infiltração de células que perderam sua capacidade de controle de proliferação e morte celular. Quanto antes o diagnóstico, menor é a massa tumoral. Sendo menor a massa tumoral, torna-se mais fácil o tratamento e a erradicação desses clones malignos que caracterizam a doença”, afirma o professor.

Conforme o especialista em Hematologia, o Brasil conta com bons registros de doadores de medula óssea. Devido à variabilidade genética da população brasileira, a doação é incentivada para abranger os diversos pacientes na fila de espera. Contudo, a maior dificuldade é encontrar os doadores cadastrados por conta dos dados desatualizados. “Nosso maior desafio é manter sempre um banco extenso e atualizado de indivíduos que de fato estejam dispostos a doar medula óssea, caso apareça um receptor. Um dos problemas que nós temos é que às vezes o indivíduo está registrado no banco, se encontra um receptor compatível, mas o indivíduo não é rastreável. Por isso, é importante ter bastante consciência do que está envolvido quando você se candidata a ser um doador de medula óssea”, informa.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.