Acne em mulheres adultas pode causar impactos na autoestima

Geralmente o problema é hormonal, seja relacionado aos níveis ou a alterações nos receptores desses hormônios, principalmente nas glândulas sebáceas, diz a dermatologista Andrezza Teles Westin

 01/12/2020 - Publicado há 10 meses
Por

 

A Acne, mais conhecida como cravos e espinhas pela população, decorre de um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilossebáceos e geralmente está relacionada ao período da adolescência. Entretanto, o problema também ocorre em adultos, principalmente entre as mulheres. Segundo a médica dermatologista Andrezza Telles Westin, do Ambulatório de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP) da USP, o problema pode ocorrer “em mulheres acima dos 25 anos que já apresentaram acne na adolescência”, mas também naquelas que nunca tiveram acne.

A dermatologista conta que existem algumas diferenças entre acne nos adolescentes e nas pacientes adultas. “Diferente do adolescente, as lesões na mulher adulta são muito mais inflamatórias, coçam e tendem a ser  localizadas no maxilar, queixo e mandíbula. Já nos adolescentes são encontradas nas regiões da testa, dorso nasal e uma parte do queixo.” A médica diz que o problema geralmente é causado por alterações hormonais, por isso, “a principal causa da acne nas pacientes tende a decorrer do aumento dos hormônios masculinos na mulher”. Porém, continua Andrezza, muitas vezes os níveis hormonais estão normais, mas a mulher apresenta “alterações nos receptores desses hormônios, principalmente nas glândulas sebáceas”. 

A especialista explica que existem grupos de risco para desenvolver o quadro de acne na vida adulta. “As mulheres com mais chance de apresentar o problema são pacientes que sofrem de síndrome de ovário policístico, que fazem ou fizeram o uso de anabolizantes e também as que apresentam problemas nos receptores dos hormônios masculinos, assim como aumento desse hormônio também.” 

Andrezza afirma que o diagnóstico correto é primordial para o tratamento do problema. “Para o tratamento adequado da acne na mulher adulta, é imprescindível que o diagnóstico seja feito por um médico dermatologista, pois o especialista vai avaliar todo o histórico da paciente e realizar exames físicos para levantar hipóteses diagnósticas. Só dessa maneira pode começar a realizar o tratamento apropriado para cada caso, que pode variar desde o controle dos níveis hormonais até o uso de sabonetes, cremes e medicamentos, como o Roacutan.”

Os cuidados e tratamentos valem a pena pelo impacto que a acne tem na autoestima das mulheres. A médica lembra que, seja na adolescência ou na vida adulta, a acne pode deixar cicatrizes muito mais difíceis de serem tratadas e removidas do que as próprias espinhas. E, diferente da acne nos adolescentes, a que atinge as mulheres é muito mais inflamatória e apresenta coceira. Esse fato, alerta Andrezza, aumenta a manipulação dessas áreas do rosto e piora a inflamação, provocando manchas e cicatrizes que podem deixar as mulheres muito ansiosas e deprimidas. “Dependendo do grau de ansiedade e depressão causado por essas cicatrizes, pode ser necessário que as pacientes realizem acompanhamento multidisciplinar, com psicólogos e até mesmo psiquiatras”, afirma a médica. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.