A prática de urgência e emergência prepara o futuro médico e traz amplo conhecimento do Sistema Único de Saúde

Alunos do curso de Medicina da USP em Ribeirão terão novo cenário de ensino de Emergência na Unidade de Pronto Atendimento-UPA Oeste da cidade, que foi inaugurada no início de novembro

 30/11/2020 - Publicado há 12 meses
Por

O atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) exige funcionamento 24 horas em todos os dias da semana. É neste ambiente que a população pode encontrar atendimento para casos como infarto, infecção urinária, traumas, entre outros. A prática de ensino no cenário de emergência é fundamental para a formação de médicos mais preparados e com conhecimento amplo do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Em 2021, os alunos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP farão as atividades práticas na UPA Oeste Dr. João José Carneiro, que foi inaugurada no dia 4 de novembro em Ribeirão Preto. “O cenário de ensino está mais próximo fisicamente da Universidade e permitirá maior integração com a Saúde da Família, possibilitando construir integração com outras áreas da medicina”, conta o prof. dr. Antônio Pazin Filho, um dos coordenadores do Eixo de Emergência da FMRP-USP.

A atuação prática em emergência permite que o futuro médico conheça a estrutura do SUS e as ferramentas disponíveis. Na FMRP, os alunos realizaram a prática no Pronto Atendimento Central de Ribeirão Preto e na UPA de Serrana. “É um projeto integrativo que exige o aprendizado prático para o atendimento de pacientes com enfermidades que não são encontradas em um hospital terciário”, afirma.

Para a população, a prática dos alunos na UPA Oeste é mais que um cenário de ensino. “Estamos levando o conhecimento da Universidade em uma extensão direta com o objetivo de fornecer e aprimorar o serviço realizado. Os primeiros profissionais formados em emergência estão atuando neste ambiente que poderá ser modelo para outras unidades do município”, conta.

Pioneirismo na criação do Eixo de Emergência

A preocupação em proporcionar uma formação completa aos graduandos em Medicina nasceu em 2007 na FMRP com a criação do Eixo Longitudinal de Emergências. A Unidade pioneiramente inseriu o ensino e prática de emergência na grade curricular dos alunos antes da obrigatoriedade do Ministério da Educação (MEC). Além disso, o Hospital das Clínicas da FMRP possui a Residência Médica em Emergência há seis anos com a formação de dois profissionais anualmente.

O Eixo envolve diversas especialidades médicas, como Pediatria, Clínica Médica, Cirurgia, Ortopedia, Ginecologia e Obstetrícia e Neurologia e foi modelo para as modificações propostas pela Associação Brasileira de Escolas Médicas (ABEM). A estrutura de ensino foi desenhada para resgatar conteúdos já ministrados anteriormente e acrescentar novas informações e experiências. Assim, cumprir o objetivo de integrar e sedimentar o conhecimento dos estudantes.

Neste sentido, a FMRP realizou uma reestruturação curricular com a inserção de cinco disciplinas que vão do primeiro ao sexto ano da graduação. “O recomendado pelo MEC é que o ensino de emergência seja superior a 10%, nós fomos a primeira faculdade do País que já tinha inserido as matérias na grade curricular oficial, com índice que representa 13% de todo o curso”, conta Pazin.

No primeiro ano do curso de Medicina, o estudante tem noções de primeiros socorros e atendimento pré-hospitalar, que visa a apresentar os princípios básicos de como agir em situação de emergência. Já no oitavo semestre, os graduandos entram em contato com procedimentos básicos, estrutura intra-hospitalar e simulação.  

A prática na UPA é o cenário de ensino no quinto ano de formação na graduação em Medicina pela FMRP. “Eles frequentam, de forma supervisionada, o pronto atendimento de adultos e crianças além do atendimento de ortopedia e cirurgia de urgência e emergência. Neste momento, ele interage com toda a equipe e com o paciente”, afirma.

Já no último ano, os alunos vão para a prática em um Pronto Socorro Referenciado, ou seja, atendem os casos do SUS classificados como graves. Pazin conta que o Eixo Longitudinal de Emergências tem como objetivo concentrar os saberes, reexpor os alunos aos conceitos adquiridos, ampliar os conhecimentos dos estudantes e garantir o aprendizado da estrutura de saúde pública. 

Mais informações: (16) 99612-3203 – UPA Oeste


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.