A poluição nas cidades e seus efeitos na saúde da população

Doenças respiratórias são os principais problemas a surgirem a curto prazo, atingindo sobretudo crianças e idosos

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Em décadas passadas, as indústrias eram as principais responsáveis pela poluição do ar. No entanto, com a migração das fábricas para áreas mais periféricas, os veículos tomaram as ruas e são agora responsáveis por 90% desse problema, segundo dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

De acordo com o professor Adeylson Ribeiro (FSP-USP), os efeitos do trânsito junto à poluição causam, a curto prazo, um efeito agudo, como problemas respiratórios. Estes se intensificam em épocas de frio, já que ocorre a inversão térmica, responsável pela dissipação dos poluentes no ambiente urbano. Observando a longo prazo, há chances de o indivíduo desenvolver problemas crônicos, como, por exemplo, câncer em vias do aparelho respiratório.

Dentro do grupo de risco, em primeiro lugar estão crianças e idosos. Depois, há os motoristas, frentistas e pessoas expostas diariamente à fumaça de motor dos automóveis. Adeylson Ribeiro termina: “As pessoas estão vulneráveis. Eu posso simplesmente decidir se eu vou fumar ou se eu não vou fumar, se eu vou beber ou se eu não vou beber, se eu vou fazer atividade física ou se eu não vou fazer atividade física, é uma escolha minha. Agora, não respirar o ar de São Paulo, isso não é uma escolha.”

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 161
  •  
  •  
  •  
  •