Pesquisa quer saber quais são os principais desafios das mulheres cientistas

Núcleo paulista das 500 Mulheres Cientistas quer traçar perfil de pesquisadoras do município de São Paulo para analisar os principais fatores que dificultam o desempenho na carreira científica

Foto: kzenon/123RF

.

O Núcleo São Paulo das 500 Mulheres Cientistas está realizando um estudo sobre a situação das pesquisadoras que atuam na capital paulista. Para participar, as interessadas em colaborar devem preencher um formulário com perguntas relacionadas a questões sociais, maternidade, possíveis casos de assédio durante a carreira, entre outras.

De acordo com Katerina Volcov, doutora pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP e coordenadora do Núcleo, a pesquisa foi fruto do desejo das mulheres que fazem parte dessa rede. “É uma pesquisa coletiva, feita por um grupo interdisciplinar, com pesquisadoras de várias áreas”, explica Katerina. 

Com esse trabalho, o grupo também pretende observar a questão do investimento para formação de mulheres cientistas e quais incentivos poderiam ser dados para elas se dedicarem à pesquisa científica. “Tendo um panorama de qual é a situação dessa mulher hoje, poderemos fazer uma incidência para melhoria da qualidade de vida dessa cientista”, diz a coordenadora do Núcleo. “Nós sabemos hoje que a ciência, a educação, a tecnologia, vêm sofrendo ataques sistemáticos. E as mulheres, por conta da desigualdade de gênero já existente, são as mais afetadas”, complementa.

Aspectos abordados na pesquisa

As questões se concentram em fatores que podem dificultar o desempenho das cientistas, como, por exemplo, maternidade, assédio moral e sexual no emprego, preconceitos sobre ser mãe e/ ou mulher, além de ocupação com afazeres domésticos, antes e depois da pandemia.

Há perguntas gerais (idade, nacionalidade, etnia, se tem filhos, entre outras), sobre a rotina (quem é o principal responsável nos cuidados familiares, qual é o tempo gasto nessas atividades) e sobre a área de formação e de atuação, renda anual e situação atual de emprego. 

Todas as respostas serão confidenciais, de modo que os dados coletados serão utilizados somente no estudo do Núcleo-SP das 500 Mulheres Cientistas. O formulário possui tempo de preenchimento calculado entre 10 e 15 minutos.

O que é a organização 500 Mulheres Cientistas?

O grupo 500 Mulheres Cientistas é uma organização sem fins lucrativos que surgiu da iniciativa de duas pesquisadores norte americanas em fazer frente aos sentimentos anticiência expressos durante a última eleição presidencial dos Estados Unidos. O grupo cresceu e hoje possui 15 líderes, além de possuir mais de 300 núcleos espalhados por todo mundo. No Brasil, há 12 deles, distribuídos nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul. O objetivo é fazer a defesa da ciência, das mulheres, das minorias, dos imigrantes e da comunidade LGBTQIA+

Um dos trabalhos mais importantes da organização é o Requisite uma Cientista, projeto que conta uma base de dados com mais de 9 mil mulheres cientistas, de várias áreas do conhecimento e regiões geográficas, disponíveis para serem chamadas em conferências, workshops e entrevistas a jornais e evitar a justificativa da falta de pesquisadoras mulheres nos eventos.

As atividades do Núcleo São Paulo das Mulheres Cientistas pode ser acompanhado no Instagram neste linkO e-mail para contato com o núcleo é podsp500ws@gmail.com

Para participar da pesquisa, basta preencher aqui o formulário on-line

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.