Brasil está em último lugar na valorização dos professores

Segundo pesquisa feita para 35 países, no Brasil 91% das pessoas acham que o professor não é respeitado em sala de aula

Nesta edição da coluna Reflexão Econômica, o professor Luciano Nakabashi fala sobre pesquisa realizada em 35 países e publicada no final de 2018 sobre a valorização dos professores. Esse material foi divulgado junto com o Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), coordenado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). No estudo, segundo Nakabashi, o Brasil ficou em último lugar em relação à valorização do professor, e 91% das pessoas acham que o professor não é respeitado em sala de aula.

Acerca desses dados o professor conclui que a valorização do professor está relacionada ao valor dado à educação, que nunca foi prioridade no País, e complementa: “Se a gente não consegue valorizar o professor, como aponta o estudo, não conseguimos atrair pessoas que queiram seguir essa carreira”. Nakabashi afirma que, para essa situação melhorar, é importante que se dê uma melhor condição de trabalho aos professores: “É fundamental começar a valorizar mais a profissão”, alerta.

Nakabashi destaca uma correlação entre valorização do professor e grau de desenvolvimento econômico. “É preciso que seja oferecida uma educação de qualidade na escola para existirem pessoas qualificadas no mercado de trabalho.” Além disso, ele diz que deve existir uma aliança entre a educação dentro de casa e a educação na escola, porque, além da formação em termos de conteúdo e aprendizado, é essencial a formação em habilidades socioemocionais, que são cada vez mais exigidas das pessoas no mercado de trabalho. 

Ouça no link acima a íntegra da coluna Reflexão Econômica.


Reflexão Econômica
A coluna Reflexão Econômica, com o professor Luciano Nakabashi, vai ao ar toda quarta-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.