A metrópole explorada pela imagem em movimento

Audiovisuais retratam São Paulo em diversos momentos e períodos, seja em filmes de ficção, como “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”, seja em documentários como “Racionais Mc’s: Das Ruas de São Paulo pro Mundo”

 Publicado: 02/04/2024

Logo da Rádio USP

Martin Grossmann dá continuidade à sua coluna anterior sobre a exploração da cidade moderna e contemporânea, tendo como referência a flânerie. E destaca as sinfonias da metrópole produzidas na década de 1920 em diferentes contextos urbanos, as quais continuam sendo referências fundamentais para outras produções audiovisuais em quase 100 anos. Em relação a São Paulo, o colunista cita filmes como São Paulo, Sociedade Anônima, Carandiru e O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias. Este último, por exemplo, de 2006, com direção de Cao Hamburger, “é mencionado por ser um importante e comovente relato audiovisual dos efeitos brutais da ditadura na história deste país, como também na vida de famílias, comunidades e de pessoas de uma metrópole moderna. O principal contexto urbano neste caso é o bairro cosmopolita do Bom Retiro, mas o filme também passeia por outras partes da cidade, em particular o centro da cidade”. 

Mas, além das centralidades da cidade moderna, a periferia também ganhou sua abordagem pelos meios audiovisuais, com filmes como o documentário da Netflix Racionais MC’s: Das Ruas de São Paulo pro Mundo, que mostra a origem e a ascensão desse grupo de rap, desde os primeiros shows nas ruas e na periferia de São Paulo. “Esse documentário deixa muito claro a virada que vem ocorrendo desde o final da década de 1980 e que ganha força com o amadurecimento de uma autoestima, de uma identidade periférica como potência, de um empreendedorismo socialmente engajado e inovador, onde o hip hop ocupa um lugar central nessa construção.  A periferia adquire protagonismo nas novas configurações, nas novas representações da metrópole contemporânea. Trata-se de uma virada política, social, como também estética”. 

Grossmann finaliza sua curadoria audiovisual com o videoclipe – dirigido a quatro mãos por Beto Macedo e Denis Cisma e realizado durante a pandemia – Não Existe Amor em SP.Esta pílula, uma verdadeira joia, traz um retrato poético-estético de São Paulo, que registra a solidão e a brutalidade da megalópole nesse momento de reclusão forçada que tivemos durante a pandemia. Expõe o quanto que a periferia está incorporada nas centralidades de uma cidade como São Paulo”.


Na Cultura, o Centro está em Toda Parte
A coluna Na Cultura o Centro está em Toda Parte, com o professor Martin Grossmann, vai ao ar quinzenalmente, terça-feira às 9h, na Rádio USP (São Paulo 93,7; Ribeirão Preto 107,9) e também no Youtube, com produção da Rádio USP,  Jornal da USP e TV USP.

.

.

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.