Sociedade em Foco #178: “‘Enem dos concursos’ é uma condição necessária, mas insuficiente”

Para José Luiz Portella, o Concurso Público Nacional Unificado pode ser um fator inicial, um estimulante e até uma condição necessária, mas é importante haver uma valorização da excelência no Brasil

 30/01/2024 - Publicado há 4 meses
Momento Sociedade - USP
Momento Sociedade - USP
Sociedade em Foco #178: “‘Enem dos concursos’ é uma condição necessária, mas insuficiente”
/

“O ‘Enem dos concursos’ é uma boa política pública. Ela racionaliza o processo e facilita o acesso das pessoas aos concursos”, comenta José Luiz Portella, doutor em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e pesquisador do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo. O professor também acredita que esse acesso ao serviço público diminui a desigualdade e afirma que, mesmo que tenham algumas coisas a serem aperfeiçoadas, o exame foi um bom passo para o Brasil.

O Concurso Público Nacional Unificado (CNU), popularmente conhecido como “Enem dos concursos”, é uma grande novidade entre os processos seletivos do governo federal. A prova será realizada pelo Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI) e vai preencher 6.640 vagas em 21 órgãos federais, com vagas para ensino superior — maioria dos cargos — e ensino médio.

Segundo Portella, o governo pretende atrair pessoas com espírito público e visa a uma mudança nas políticas estatais, mas explica que o concurso, apesar de necessário, é insuficiente. “Não é o ‘Enem dos concursos’ que vai fazer isso, é um conjunto de movimentos da sociedade que mudem a atitude do cidadão brasileiro”, pondera o especialista.

Para o docente, o comportamento mais amplo na sociedade brasileira é resumido pela “armadilha da renda média”, que consiste na acomodação ao se chegar em um cargo público. “A pessoa vai ter acesso a entrar no serviço público, porém, para melhorá-lo, o CNU pode ser um fator inicial, um estimulante e até uma condição necessária, mas é insuficiente”, explica Portella, que ainda fala sobre a importância de haver uma valorização da excelência no Brasil.

Ele ainda adiciona que, mesmo com uma série de fatores que atrapalham uma melhoria de atitude do cidadão — como a polarização política —, a falta de mudança no serviço público não é algo pelo qual apenas os políticos ou a elite brasileira têm culpa, já que, segundo o professor, essa minoria não consegue implantar uma atitude de um país. “Para ser suficiente, nós precisamos ter uma mudança na atitude do povo brasileiro. A busca de excelência tem que ser motivada por outras medidas estatais e também por uma mudança de postura da sociedade, o que mudaria as políticas públicas no Brasil”, finaliza.


Momento Sociedade
O Momento Sociedade vai ao ar na Rádio USP todas as segundas-feiras, às 8h30 – São Paulo 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz e também nos principais agregadores de podcast

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.