Momento Odontologia #17: Dente do Siso – remover ou não

“Dentes do siso” ou “dentes do juízo” são as denominações populares dos terceiros molares. Como esses dentes são os últimos a se formar, são recorrentes os transtornos em função da falta de espaço na arcada dentária, por exemplo. Nem todas as pessoas possuem os terceiros molares e nem todos os terceiros molares precisam necessariamente ser removidos, mas a dúvida entre manter e tirar esses dentes permanece.

Jornal da USP
Jornal da USP
Momento Odontologia #17: Dente do Siso - remover ou não
/

Os terceiros molares – chamados de dente do siso – geralmente erupcionam no período entre o término da adolescência e o início da vida adulta, mas eles podem aparecer também em idades mais avançadas. Dependendo de diversos fatores, esses dentes podem permanecer inclusos no tecido ósseo, mas isso pode ocasionar lesões císticas ou tumores. Isso gera a velha dúvida: é necessário mesmo tirá-los?

A opção de tratamento mais comum é a remoção, chamada de exodontia. A exodontia é, geralmente, um procedimento cirúrgico simples realizado em consultório odontológico sob anestesia local. Leves desconfortos causado pelo inchaço e pela dificuldade em abrir a boca após a cirurgia pode ocorrer, mas desaparece dentro de alguns dias, e o paciente volta a exercer suas atividades normais. As dores também podem ser tratadas com medicamentos como analgésicos, receitados pelo profissional dentista.

A decisão de manter ou não esses dentes é acompanhada de suas respectivas consequências: a manutenção deles pode causar desde cáries a problemas mais sérios, enquanto que o processo de retirada também oferece riscos dependendo do caso.

É sempre importante buscar orientação de um dentista para avaliar o caso e a necessidade de remover os sisos. A decisão deve ser do cirurgião dentista ou do cirurgião buco-maxilo-facial, junto com o paciente.

Ficha técnica:
Edição sonora: Gabriel Soares
Vinheta: Cido Tavares
Produção: Rosemeire Talamone e Letícia Acquaviva


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.