Inteligência artificial pode gerar desenhos de observação

Na entrevista desta quinta-feira (7) nos Novos Cientistas, o artista plástico Sérgio Venâncio descreveu como foi o desenvolvimento do Extentio, na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. O software simula o processo de desenho de observação através de imagens geradas por câmeras digitais. O trabalho foi desenvolvido em seu mestrado na ECA, sob orientação da professora Silvia Regina Ferreira de Laurentiz

Por
Jornal da USP
Jornal da USP
Inteligência artificial pode gerar desenhos de observação
/

Antes mesmo de iniciar seu programa de mestrado na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, o artista plástico Sérgio Venâncio já tinha em mente o desenvolvimento de um software que pudesse produzir desenhos de observação por meio de imagens geradas em uma câmera digital. Já na pós-graduação, foi desenvolvido então o Extentio.

Em sua participação nos Novos Cientistas, Venâncio contou que uma das inspirações para a criação do software veio do artista britânico Harold Cohen, que, na década de 1970, desenvolveu um robô capaz de desenhar e pintar. Cohen serviu de base para os estudos de Venâncio. No projeto foram incorporados conceitos como o de Visão Computacional, área da inteligência artificial que treina computadores para interpretar e entender o mundo visual, e Machine Learning (Aprendizado de Máquina).

O programa utiliza uma câmera treinada, por intermédio de algoritmos, para reconhecer determinados elementos, como o rosto de uma pessoa. Quando as imagens são captadas, enquadradas e redimensionalizadas, o software, que traça apenas linhas, começa a desenhar usando-as como base. De acordo com o pesquisador, o software não substitui o trabalho do artista por completo. “Não é um software finalizado mas sim um processo constante onde traduzo minha linguagem de observar e desenhar para uma linguagem de máquina. Ele depende muito do observar do artista. Harold Cohen dizia que ele e sua máquina mantinham uma sociedade artística”, descreveu o artista. “Vamos trabalhando com o software como se eu desenhasse como faço com o lápis. É possível sempre alterar o programa. É um ciclo”, explicou Venâncio.

As obras geradas pelo Extentio podem ser vistas na exposição Pós-Gráfica, que reúne trabalhos de sete artistas que estudam poéticas visuais na ECA e fazem parte do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais. A mostra está aberta, gratuitamente, até o dia 14 de novembro, no Espaço das Artes da USP, que fica na Rua da Praça do Relógio, 160, na Cidade Universitária. De segunda a sexta das 10 às 20 horas.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.