Ambiente é o Meio #128: Experimento utiliza a diversidade do Cerrado contra espécies invasoras

Especialista reconhece que restauração do bioma é difícil pela competição com espécies exóticas, mas que é viável

Por
 Publicado: 15/05/2024
Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o Meio #128: Experimento utiliza a diversidade do Cerrado contra espécies invasoras
/

Nesta semana, o Ambiente é o Meio recebe o professor Guilherme Mazzochini, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), para falar sobre experimentos para restauração do Cerrado utilizando a diversidade de plantas do bioma contra espécies invasoras. 

Mazzochini é biólogo de formação, doutor em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em que desenvolveu pesquisas na Caatinga, investigando como a presença da população humana afeta a estrutura e os serviços ecossistêmicos desse bioma, tendo, também, experiências com a floresta amazônica e restauração de floresta de araucária. 

No caso do Cerrado, o professor passou quatro anos desenvolvendo estudos para restaurar a vegetação herbácea. Segundo Mazzochini, essa vegetação é frequentemente negligenciada nos programas de restauração, mas representa a savana mais biodiversa do mundo, com uma grande variedade de espécies, além de prover “serviços ecossistêmicos” como a regulação do ciclo da água, fundamental para abastecer os principais rios do Brasil.

Dentre os desafios para a restauração do Cerrado, afirma o professor, está a recuperação de áreas de pastagens degradadas dominadas por espécies exóticas, como a braquiária. Ele explica que essas espécies se estabeleceram devido a alterações no solo, como a calagem (preparação da terra para cultivo com aplicação da cal), o que as torna competitivas em relação à vegetação nativa.

Conta que, num experimento de restauração realizado em 2010 no parque nacional da Chapada dos Veadeiros, a área foi incorporada e estava destinada à restauração como parte de compensações por infraestrutura de transmissão. 

Nela, explica, foram estabelecidas parcelas onde diferentes quantidades de sementes foram semeadas. Como resultado, observaram que a diversidade de estratégias de raízes teve impacto sobre a capacidade de resistência à invasão por espécies exóticas, oferecendo uma utilização mais eficiente dos recursos do solo e reduzindo a disponibilidade para espécies invasoras. 

No contexto das políticas públicas, o biólogo enfatiza a importância de manter o Cerrado em pé e mostra que a restauração é viável, desde que seja baseada na biodiversidade local; reconhece o desafio de obter sementes e mudas de diversas espécies, mas acredita que o investimento na restauração do Cerrado trará benefícios ambientais e econômicos a longo prazo.


Ambiente é o Meio

Produção e Apresentação: Professores Marcelo Marini Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto, ambos professores da FFCLRP
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão 
E-mail: ouvinte@usp.br
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.