Ambiente é o Meio #114: Exploração do pré-sal põe em risco maior área de restinga do Brasil

Biólogo Carlos Alberto Barboza enfatiza que, como estratégia, País deveria investir em produção de conhecimentos para a transição energética

Por
 Publicado: 08/02/2024
Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o Meio #114: Exploração do pré-sal põe em risco maior área de restinga do Brasil
/

O programa Ambiente é o Meio desta semana fala sobre a exploração do pré-sal na maior área de restinga do Brasil, em Macaé, no Rio de Janeiro. O convidado é o biólogo Carlos Alberto Barboza, graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutor em Biologia Marinha pela Universidade Federal Fluminense (UFF). 

Barboza, que é membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação e do Programa de Pós-Graduação Profissional em Ambiente, Sociedade e Desenvolvimento da UFRJ, conta que passou cerca de dois anos estudando a ecologia de praias arenosas. “Ao longo desses anos, a minha pesquisa vem se concentrando no estudo desses ecossistemas, que a gente fala que são os sistemas praiais”, explica. 

Parte da Mata Atlântica, a restinga consiste em formações intercaladas por cordões arenosos com condições ambientais adversas. Barboza contextualiza que essas áreas enfrentam altas temperaturas, influência marinha e, por vezes, déficit hídrico, abrigando fauna e flora adaptadas. Segundo ele, as vegetações de restinga e ecossistemas costeiros estão ameaçados pela urbanização, industrialização e mudanças climáticas, além do aumento do nível do mar, representando riscos para a população costeira.

Assim, lembra o biólogo, a instalação de infraestrutura para exploração do pré-sal transformou o município de Macaé, resultando em aumento na densidade populacional e modificação do hábitat natural da costa. Afirma que, apesar de parte da exploração ficar distante, em alto mar, toda a infraestrutura associada à exploração de energia teve impacto significativo na cidade que se autodenomina “a capital nacional do petróleo”.

Segundo Barboza, o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, uma das mais antigas áreas de conservação, enfrenta ameaças, especialmente devido à urbanização e ocupação irregular em seu entorno. A cidade, no entanto, ainda mantém áreas costeiras preservadas em comparação com outros pólos econômicos.

O pesquisador alerta ainda para a complexidade da transição energética. “O quanto nós vamos perder no sentido social, ambiental e econômico do País, num investimento da exportação dessa energia, e o contrapasso da transição para energia verde”, considera Barboza que acredita, como estratégia, pensar Macaé não apenas como a capital da energia, mas também como a capital do conhecimento, buscando alternativas de produção energética e investindo em educação e pesquisa para empoderar a população local.


Ambiente é o Meio

Produção e Apresentação: Professores Marcelo Marini Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto, ambos professores da FFCLRP
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão 
E-mail: ouvinte@usp.br
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.