USP aprova bônus maior para alunos da escola pública

O Conselho de Graduação aprovou mudanças no Programa de Inclusão Social (Inclusp), com o aumento de 12% para 15% do bônus para alunos oriundos da escola pública.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
A pró-reitora de Graduação, Telma Zorn, em coletiva de imprensa

O Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) aprovou hoje, dia 31 de março, mudanças no Programa de Inclusão Social (Inclusp), com o aumento para 15% do bônus para alunos oriundos da escola pública. As alterações no programa foram anunciadas pela pró-reitora de Graduação, Telma Maria Tenório Zorn.

O aumento na bonificação entrará em vigor no vestibular deste ano. A partir de agora, o Programa de Avaliação Seriada (Pasusp), uma das mais importantes ações do Inclusp, vai proporcionar bônus de até 15% aos estudantes que cursaram o ensino fundamental em escola pública e que estejam matriculados no 2º ou 3º ano do ensino médio também em escola pública.

Uma das principais mudanças do programa é que, além do aumento dos bônus, o sistema foi estendido aos alunos do 2º ano do ensino médio já a partir do próximo vestibular. Do total dos 15% de bônus, até 5% são para os alunos do 2º ano do ensino médio, que acumularão esse bônus para o ano seguinte, e até 10% para os do 3º ano.

Outra importante alteração é que os estudantes receberão os bônus ao prestarem a prova da primeira fase da Fuvest e não precisarão fazer uma outra prova especificamente do Pasusp, como ocorria até o ano passado.

Bonificação

A partir de agora, a concessão dos bônus será dividida entre o 2º e 3º ano do ensino médio. Para os alunos do 2º ano, apenas se inscrevendo no Vestibular e fazendo a prova, estes receberão 2% de bônus. Se alcançarem 40 dos 90 pontos possíveis na prova, recebem os 5% de bônus integralmente e carregam esses bônus para o ano seguinte, quando prestarem o vestibular. Quando esse aluno estiver no 3º ano, o teto da bonificação é de 10%, de acordo com o número de pontos alcançados na primeira fase.

Como o novo sistema será implantado este ano, somente para este vestibular, na prova da primeira fase, os estudantes do 3º ano poderão obter até 15% de bonificação. Essa bonificação será concedida de acordo com o número de questões acertadas, com o mínimo de 22 pontos  (nota mínima para passar para a segunda fase) e o máximo de 60 pontos para obter os 15% integralmente.

Para quem já terminou o ensino médio ou para quem ainda está no ensino médio, mas não fez o ensino fundamental integralmente em escola pública, ou seja, não fará parte do Pasusp, a bonificação no vestibular poderá ser de até 8% – a partir de 22 pontos obtidos, esses estudantes receberão 4%, podendo atingir 8% se fizeram 60 pontos na primeira fase da Fuvest.

Projeto de longo prazo

Segundo a pró-reitora de Graduação da USP, Telma Maria Tenório Zorn, as mudanças do Pasusp, além de reforçar o Programa, valorizam um projeto de longo prazo com os estudantes de escola pública, estimulando e incentivando esses estudantes a realizarem o vestibular da Fuvest. “Pretende-se fazer com que os alunos de escola pública se familiarizem com o ambiente do vestibular e da prova da Fuvest e façam de nossa Universidade um projeto de vida”, ressalta.

O Inclusp engloba ações antes, durante e após o vestibular. Até o vestibular da Fuvest 2011, na primeira etapa, concedia-se bônus de 3% em cada uma das fases universal para os alunos provenientes da rede pública de ensino. Além do bônus de 3%, o aluno poderia receber bônus de até 3%, qualificado pelo desempenho do aluno no Pasusp, e outro, de até 6%, decorrente do bônus Fuvest, que substitui a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Com isso, o estudante da escola pública podia alcançar até 12% de pontuação acrescida em sua classificação no vestibular.

O Conselho de Graduação aprovou também a criação de uma autenticação de informações dos candidatos do vestibular para evitar que os estudantes sem o ensino médio completo e que se inscrevam na categoria geral, e não a de treineiros – a carreira destinada para estes estudantes, sejam convocados nas listas de chamadas. Este ano, dos 2.221 alunos convocados em segunda chamada, 479 eram alunos com ensino médio incompleto.

(Fotos: Ernani Coimbra)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados