Paulo Mendes da Rocha é tema de exposição

Em cartaz no Mube entre 1º de abril e 2 de julho, a mostra “Pedra no Céu” traça paralelos entre a arte e a arquitetura do arquiteto da USP

Por - Editorias: Cultura
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn24Print this pageEmail
Paulo Mendes da Rocha: um dos mais premiados arquitetos da atualidade - Foto: Arquivo/USP Imagens
Paulo Mendes da Rocha: um dos mais premiados arquitetos da atualidade – Foto: Arquivo/USP Imagens

.
Pedra no Céu
é o nome da exposição em homenagem ao arquiteto Paulo Mendes da Rocha que o Museu Brasileiro da Escultura (Mube) promove de 1º de abril a 2 de julho. Serão apresentadas mais de 50 obras de 25 artistas que de alguma forma dialogam com a obra do arquiteto – entre eles, Amilcar de Castro, Carmela Gross, Cildo Meireles e Nuno Ramos. Na abertura da exposição, às 11 horas do dia 1º de abril, sábado, será exibido o documentário Tudo é Projeto, da cineasta Joana Mendes da Rocha – filha do arquiteto – e da diretora de TV Patricia Rubano, que traça um perfil humanista de Paulo Mendes da Rocha. Pertencente ao acervo do Museu de Arte Moderna (MoMa) de Nova York, a maquete do Mube – projeto de Paulo Mendes da Rocha – também estará em exposição.

Em texto de apresentação do evento, os curadores Guilherme Wisnik – colunista da Rádio USP – e Cauê Alves destacam que a exposição faz um paralelo entre a arte e a arquitetura de Paulo Mendes da Rocha.  “A mostra se aproxima das referências artísticas de Paulo Mendes da Rocha e de diálogos que ele estabeleceu entre o seu projeto e a produção de artistas como René Magritte e Henry Moore. Nas pranchas apresentadas ao concurso do Mube, a relação com a paisagem se dá a partir de citações a viajantes como Debret, Rugendas e Frans Post, presentes na mostra”, escrevem os curadores. “A exposição também explora relações entre o museu e a produção contemporânea, seja a partir de contrastes ou de consonâncias. Trabalhos tridimensionais, fotografias, pinturas e desenhos de diversos artistas que se relacionam com arquitetura e elementos estruturais do prédio do museu, como a marquise, as paredes de concreto e a paisagem, estão exibidos.”
.

O Mube, local da exposição: projeto de Paulo Mendes da Rocha - Foto: Divulgação/Mube
O Mube, local da exposição: projeto de Paulo Mendes da Rocha – Foto: Divulgação/Mube

.
“Pedra no céu” é o modo como Paulo Mendes da Rocha se refere ao grande plano horizontal (de concreto armado) da marquise do Mube, que pousa sobre dois apoios perpendicularmente à Avenida Europa, explicam os curadores no texto.  “O vão de 60 x 12 m parece flutuar, uma vez que de perto nosso olhar não abarca os apoios laterais. A ‘pedra no céu’ alude aos primórdios da humanidade, um abrigo elementar, mas que anuncia um museu subterrâneo que acompanha o desnível natural do terreno.”

Aos 88 anos, Paulo Mendes da Rocha é um dos mais premiados arquitetos da atualidade. Entre outros, é detentor do Prêmio Pritzker de 2006 e do Prêmio Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2016. Professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, tem entre suas principais obras os projetos do Mube e do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

A exposição Pedra no Céu – Arte e Arquitetura de Paulo Mendes da Rocha fica em cartaz de 1º de abril a 2 de julho de 2017, de terça-feira a domingo, das 10h30 às 18h, no Museu Brasileiro da Escultura (Mube), localizado na Avenida Europa, 218, nos Jardins, em São Paulo. A inauguração da mostra ocorrerá às 11 horas do dia 1º de abril, sábado. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 2594-2601 e no endereço eletrônico www.mube.art.br.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn24Print this pageEmail

Textos relacionados