usp90anos-y-2

A USP para além das salas de aula e dos laboratórios

Cultura e história são pilares essenciais para a Universidade e conhecer o patrimônio cultural de seus campi e seus prédios centenários é importante para se saber mais a respeito da própria existência da USP

  •  

 Publicado: 02/02/2024

Por Redação

“No universo da cultura, o centro está em toda parte.” Esta frase, do ex-reitor da USP Miguel Reale, se destaca na Praça do Relógio, na Cidade Universitária, em São Paulo. E se reveste de uma verdade imperiosa quando se trata da Universidade: na USP, a cultura está realmente em toda parte, em muitos e variados centros. Porque o universo cultural uspiano vai além das importantes salas de aula e dos essenciais laboratórios de pesquisa. Que o digam os livros que tratam do patrimônio cultural da Universidade.

São publicações organizadas principalmente pela Comissão de Patrimônio Cultural, a CPC–USP, que vem fazendo, ao longo dos anos, um levantamento daquilo que também constitui a riqueza da Universidade. São imóveis históricos tombados, como a conhecida Casa de Dona Yayá, obras escultóricas de artistas renomados espalhadas tanto nos campi da USP quanto em algumas de suas unidades – a Faculdade de Direito é um ótimo exemplo. Isso, sem deixar de observar a questão ambiental – o meio ambiente nos campi também é um patrimônio cultural, evidenciando sua importância como tema constitutivo de diversas áreas de conhecimento.

Os livros a seguir demonstram como a Universidade de São Paulo, ao longo de suas nove décadas de existência, soube construir, manter e cuidar desse patrimônio cultural que também é um dos importantes pilares que a sustentam.

Bens Imóveis Tombados ou em Processo de Tombamento da USP, da CPC – Comissão de Patrimônio Cultural da USP. Edusp, 224 p.

A Universidade de São Paulo possui uma série de bens imóveis de grande valor cultural e histórico. Este livro, organizado por Maria Cecília França Lourenço, professora de História da Arte da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU-USP, faz uma minuciosa radiografia de cada um desses prédios recuperando a história contida por trás dessas fachadas. Mais que um arrolamento dos bens, é um painel da história de São Paulo. A publicação, ricamente ilustrada com fotos, croquis e mapas dos imóveis tombados, conta ainda com artigo escrito pelo professor Nestor Goulart Reis Filho, o depoimento da bibliotecária Maria Christina Barbosa de Almeida, encarregada do Banco de Dados da CPC, da arquiteta Regina Andrade Tirello, sobre a restauração de pinturas murais nos prédios da USP, e da fotógrafa Angela Garcia, sobre o trabalho de fotografia arquitetônica.

A Casa de Dona Yayá, da CPC – Comissão de Patrimônio Cultural da USP. Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 176 p.

A Casa de Dona Yayá é um dos mais conhecidos bens culturais da Universidade de São Paulo, tombado pelo Condephaat. Este livro reúne ensaios de estudiosos sobre a importância cultural do imóvel, analisando-o sob diferentes enfoques, contribuindo para ampliar o debate sobre a preservação deste patrimônio cultural da cidade. Na primeira metade do século passado, a casa foi habitada por Dona Yayá por mais de 35 anos, e se transformou, com o agravamento de sua insanidade mental, em sua própria alcova. Todo o mito que ainda cerca a casa e a figura histórica de Dona Yayá é relatado no livro, além de várias propostas de preservação e usos para este imóvel que conta a história de mais de um século de técnicas construtivas aplicadas às residências paulistas e é um dos últimos exemplares de chácaras urbanas em São Paulo.

Meio Ambiente: Patrimônio Cultural da USP, da CPC – Comissão de Patrimônio Cultural da USP. Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 208 p.

Dedicado ao tema do meio ambiente, relacionando-o com a questão dos bens culturais, este livro – editado em 2003 e coordenado pela professora Ana Lúcia Duarte Lanna – procura refletir, sistematizar e consolidar a questão do patrimônio cultural e evidenciar a importância do meio ambiente como tema constitutivo de diversas áreas de conhecimento. Essa edição conta com a contribuição de autores professores da USP, cujos textos possuem o mérito de evidenciar a variedade de enfoques, a diversidade de opiniões e de temas e a importância da USP para a sociedade. Também inclui capítulo correspondente ao inventário das áreas físicas da Universidade, reconhecidas pela comunidade de seus campi como áreas ambientais importantes. Finaliza o volume a apresentação dos programas e pesquisas que a USP desenvolvia à época nessas áreas. Esta publicação aponta o papel da Universidade como instituição capaz de gerar novas formas de atuação para enfrentar a crise da biodiversidade, destacando as iniciativas institucionais que respondem à demanda técnico-científica sobre o tema.

Obras Escultóricas em Espaços Externos da USP, da CPC – Comissão de Patrimônio Cultural da USP. Edusp, 160 p.

Com o advento da arte moderna, diferentes propostas artísticas modificaram a arte pública, que cada vez mais busca se aproximar do público, chegando mesmo a interagir com a sensibilidade das pessoas. O acervo de obras escultóricas existente nos diversos campi da Universidade de São Paulo constitui uma espécie de museu a céu aberto que atesta a existência de iniciativas de implantação e preservação de obras que vão desde bustos tradicionais até arrojadas esculturas contemporâneas. São apresentadas aqui fotografias de mais de 40 peças, junto com informações de sua criação e de seus autores, artistas como Bruno Giorgi, Caetano Fraccaroli, Rino Levi, Elisabeth Nobiling, Amílcar de Castro, Emanoel Araújo, Antonio Lizárraga, Ester Grispun, José Resende, entre outros. Este livro é uma importante contribuição para o debate sobre as atuações públicas no âmbito do patrimônio cultural.

As Esculturas da Faculdade de Direito, de Heloisa Barbuy. Ateliê Editorial, 316 p.

Este livro destaca detalhes de cada escultura, de cada objeto e também a história que motivou a sua projeção no espaço e a integração no acervo da Faculdade de Direito da USP. Há muito tempo havia a intenção de se desenvolver um trabalho sobre o patrimônio histórico da faculdade, e a comemoração de seus 190 anos – em 2017 – foi a ocasião para dar início ao projeto de forma sistemática. O leitor ou o visitante pode apreciar 23 obras do acervo institucional, acrescido de quatro obras do Patrimônio Municipal de São Paulo, alocadas no Largo São Francisco. Os artistas que assinam mais de uma obra na galeria deste catálogo são: Amadeu Zani, Luiz Morrone, Victor Brecheret e Willian Zadig, cada um com duas esculturas. A maior parte das esculturas está no Salão Nobre e duas delas estão em destaque: o busto do Barão do Rio Branco e o busto de Rui Barbosa. Outra obra que merece destaque é a escultura Beijo Eterno, uma das partes do monumento ao poeta Olavo Bilac, de autoria de Willian Zadig. Foi inaugurada originalmente na Avenida Paulista, em 7 de setembro de 1922, permanecendo ali até 1935. O monumento foi desmontado e montado em outros locais, até uma das partes, justamente Beijo Eterno, ser transferida para o Largo São Francisco, em 18 de outubro de 1966. “Essa escultura mostra que a Faculdade de Direito é um lugar plural, onde convivem múltiplos matizes de pensamento”, afirma a autora Heloisa Barbuy.

Outros livros que contam a longa trajetória da Universidade e de várias de suas unidades


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.