Livro discute racismo estrutural e psicanálise a partir de histórias de mulheres negras

Lançada recentemente, a obra “Os Muitos Nomes de Silvana – Contribuições clínico-políticas da psicanálise sobre mulheres negras” é fruto de uma tese de doutorado no Instituto de Psicologia da USP

 Publicado: 19/11/2021  Atualizado: 22/11/2021 as 16:45
Por
O livro discute a necessidade de a psicanálise levar em conta as questões raciais durante o processo de escuta psicanalítica. Mulheres negras – Foto: Flickr – Fotomontagem Jornal da USP

 

Acaba de ser lançado o livro Os Muitos Nomes de Silvana – Contribuições clínico-políticas da psicanálise sobre mulheres negras, obra que é fruto da tese de doutorado da psicanalista Ana Paula Musatti-Braga no Instituto de Psicologia (IP) da USP. A pesquisa foi realizada a partir de sua experiência com a mãe de um aluno de uma escola do bairro do Butantã, em São Paulo: uma mulher negra e pobre, e é a partir dela que surgem “os muitos nomes de Silvana”. A pesquisa foi defendida em fevereiro de 2016, sob a orientação da professora Miriam Debieux Rosa, do IP.

+ Mais

Relatos de psicólogos mostram casos de racismo no cotidiano

Psicanalistas devem estar mais atentos às questões raciais de pacientes, defende estudo

Ana Paula conta que foi preciso fazer ajustes para tornar a leitura mais acessível, mas, apesar das adaptações ao formato, ela optou por não modificar ou atualizar a tese como forma de marcar um trabalho que foi muito importante em uma época em que havia menos estudos a respeito. “Aconteceram mudanças importantes ao longo desses anos na psicanálise, mas também é importante o registro de que o assunto, hoje mais naturalizado, era diferente naquele momento”, afirma Ana Paula ao Jornal da USP.

Cada capítulo do livro leva o nome de uma mulher diferente, mas todos representam histórias de uma mesma pessoa. O objetivo foi mostrar que cada mulher possui diversas características e tem direito a diferentes identidades. São elas: “Sandra: sobre a invisibilização das mulheres negras brasileiras”; “Sônia: uma história escravizada e seus rastros”; “Suzana e o retorno das algemas”; “Selma: sobre a servidão, o racismo e o sexismo”, e “Sofia e o tornar-se uma mulher negra”.

“Na pesquisa foi ficando claro que essas mulheres negras sofriam pressões sociais muito maiores do que as mulheres brancas, e sempre eram vistas em um papel de servidão. Colocar diferentes nomes serviu para mostrar que elas são múltiplas”, diz.

Uma modificação importante foi a narrativa dos acontecimentos: o livro é escrito em primeira pessoa, mostrando a perspectiva da autora para além dos dados da pesquisa.

Cada capítulo do livro leva o nome de uma mulher diferente, mas todos representam histórias de uma mesma pessoa. O objetivo foi mostrar que cada mulher possui diversas características e tem direito a diferentes identidades. Mulheres negras – Foto: Flickr – Fotomontagem Jornal da USP


Ana Paula conta que seu objetivo inicial não levava em consideração a cor de pele das mulheres que seriam parte do estudo, mas, conforme foi se aprofundando nas vivências, acabou percebendo a importância da questão racial na forma de socialização. “Provavelmente, se eu fizesse essa pesquisa hoje, a questão racial já faria parte da abordagem desde o começo, mas, na época, não foi algo que eu me dei conta antes de dar início a ela”, diz.

Segundo Ana Paula, dentro da psicanálise havia um apagamento das questões raciais tanto nas pesquisas quanto no atendimento a esses pacientes racializados. Ela conta que diversos analistas não levavam isso em consideração durante os atendimentos por uma questão sociopolítica e de manutenção dos privilégios. Mas se mostra esperançosa quanto ao avanço dessa temática dentro da psicanálise.

 

A adaptação da tese busca ressaltar reconhecer a individualidade das mulheres negras para além do papel de servidão atribuído pela sociedade – Foto: Reprodução


O livro Os Muitos Nomes de Silvana – Contribuições clínico-políticas da psicanálise sobre mulheres negras (Editora Blucher, 390 páginas)
 está disponível para compra neste link.

Na última quinta-feira (18), foi realizado uma live no YouTube para lançamento do livro, que contou com a participação de Ana Paula Musatti-Braga e da doutoranda em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia da USP, Priscilla Santos de Souza, cuja pesquisa aborda as relações raciais e a psicanálise. Durante cerca de uma hora de evento elas comentaram sobre o processo de pesquisa e as perspectivas de cada uma sobre o desenvolvimento da psicanálise em relação às questões raciais ao longo dos últimos anos. Ao final da live, o público que a acompanhava pôde fazer perguntas para a autora.

Mais informações: e-mail ana@arco.coop.br, para Ana Paula Musatti-Braga


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.