Estudo clínico amplia chance de SUS ter tratamento pioneiro contra câncer

Dados de novos pacientes desenvolverão base para que a técnica seja submetida à Anvisa, afirma Dimas Tadeu Covas

jorusp

Terapia inédita na América Latina teve resultado positivo na luta contra o câncer de linfoma não Hodgkin. O paciente Vamberto Luiz de Castro foi tratado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP com imunoterapia através de células Car T, técnica dos Estados Unidos e da Europa que teve uma plataforma inteiramente brasileira. O desafio agora é ampliar as condições para que se torne um tratamento disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). O Jornal da USP no Ar conversa sobre a iniciativa com o professor da FMRP, Dimas Tadeu Covas, coordenador do Centro de Terapia Celular e do Instituto Nacional de Células-Tronco e Terapia Celular.

A pesquisa que possibilitou esse avanço teve início há quatro anos e meio, logo quando foram publicados os primeiros trabalhos nesse assunto. Agora, mais quatro pacientes foram incluídos nos estudos e estão na fase de produção das células Car T, algo um tanto demorado, mas que deve criar uma base de dados para a próxima fase do estudo clínico e que permitirá desenvolvê-lo verdadeiramente como um produto. “Com esses dados, haverá condição de submeter a apresentação aos órgãos competentes (como a Anvisa) em estudo clínico, que compara dados da própria literatura com dados do remédio padrão que seria comum”, explica Covas. Ele enfatiza que isso prevê infraestrutura, investimento e apoio governamental.

A escolha dos pacientes advém daqueles que não têm mais opções terapêuticas. Vamberto de Castro, no caso, foi tratado com o que estava disponível antes, mas não respondeu a nenhum dos métodos e só recebia tratamentos paliativos. Depois disso, a imunoterapia individualizada entrou em ação. Hoje, a doença não se manifesta mais e o paciente está em  franca recuperação. “Então, demora para ser feito, mas atinge um resultado espetacular”, afirma o professor, que completa: “A imunoterapia celular é muito mais próxima da biologia do paciente, muito mais natural e fisiológica”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.