Mudanças no estilo de vida diminuem risco de demência até em casos com predisposição genética

Orestes Vicente Forlenza descreve quais hábitos impactam a saúde do cérebro durante o envelhecimento

 15/08/2022 - Publicado há 1 mês
A incidência de demência vem caindo em países desenvolvidos, o que é reflexo dos incentivos à mudança do estilo de vida – Foto: Unsplash

Há sete hábitos que diminuem o risco de demência em até 43%, mesmo para quem tem predisposição genética para o quadro: permanecer ativo; adotar uma alimentação saudável; evitar o sobrepeso; não fumar; manter a pressão arterial adequada; controlar o colesterol e a taxa de açúcar no sangue. As conclusões são do estudo Genetic Risk, Midlife Life’s Simple 7 and Incident Dementia in the Atherosclerosis Risk in Communities Study, realizado nos Estados Unidos, que acompanhou cerca de 11.500 pacientes por três décadas.

“O que eles mostraram nessa base de dados é que você tendo um bom score de estilo de vida, de hábitos, mesmo que você tenha um risco genético alto, você consegue atenuar em parte esse risco”, explica Orestes Vicente Forlenza, professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP. O estudo determinou cinco faixas de risco, avaliando como os hábitos influenciam em cada um.

Orestes Vicente Forlenza – Foto: HCFMUSP

Forlenza conta que a incidência de demência vem caindo em países desenvolvidos, o que é reflexo dos incentivos à mudança do estilo de vida. “Essa promoção de um envelhecimento mais saudável a partir da meia-idade, é muito importante para reduzir a quantidade de casos de demência lá na frente.” O número total de casos pode permanecer estável ou aumentar pelo fato de as pessoas estarem vivendo mais.

Comorbidades

Outros hábitos podem ser melhorados e contribuírem na redução do risco de demência, como evitar a perda de acuidade auditiva e visual e fazer o tratamento correto da depressão. “Todas as intervenções feitas na meia-idade na população vão resultar num benefício populacional, que é uma redução de até 30%, 35% dos casos de demência”, afirma o professor.

Fatores de risco cardiovasculares têm relação direta com o risco cérebro-vascular, que impacta na doença de Alzheimer, a doença mais frequente do grupo da demência, acelerando o início dos sintomas, segundo Orestes. “A promoção de bons hábitos, o controle adequado das comorbidades, das doenças que se associam a isso, tudo isso em conjunto vai levar a um envelhecimento cerebral mais saudável, mesmo para quem tem ou para quem não tem doença de Alzheimer.”


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.