Médicos são recomendados a não realizar autópsia em casos de covid-19

Ivan Miziara explica que, além dos equipamentos de proteção individual (EPI), os procedimentos técnicos devem sofrer alterações

jorusp

Paciente no Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan, em Hubei, na China Central – Foto: Governo China via Fotos Públicas

Durante a pandemia de um vírus de transmissão agressiva como o coronavírus, profissionais da saúde devem ter cuidado redobrado. A Associação Brasileira de Medicina Legal e Perícia Médica preparou um conjunto de recomendações aos médicos peritos e médicos legistas para o trabalho durante a pandemia de covid-19.

“Além dos equipamentos de proteção individual (EPI), os procedimentos técnicos devem sofrer alterações”, explica Ivan Dieb Miziara, professor do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da USP, ao Jornal da USP no Ar. “As recomendações, baseadas em instruções internacionais, são para que não sejam feitas perícias ou autópsias no casos confirmados ou suspeitos de covid-19, a não ser que se faça extremamente necessário, para fins de controle epidemiológico”, comenta o professor. 

A recomendação em relação aos médicos peritos é de que os tribunais suspendam as perícias, por enquanto, já que podem estar trabalhando com os que podem carregar o vírus. “No entanto, pode ser que seja pedida a perícia mesmo assim, em uma situação mais urgente”, afirma Miziara. Os médicos legistas também devem seguir todos os passos para evitar a contaminação nos procedimentos, tratando “todos os corpos como se fossem suspeitos de contaminação”, já que o vírus pode estar vivo mesmo em um cadáver. Os procedimentos de autópsia mudam para que não se criem aerossóis com vírus contaminados ao usar serras, por exemplo. 

“Estamos usando métodos alternativos, como as autópsias com aparelhos de ressonância magnética do Departamento de Patologia, a necropsia minimamente invasiva”, comenta Miziara. “É claro que a desigualdade entre os Institutos Médicos Legais (IML) no Brasil pode não permitir essa tecnologia, mas deve-se buscar essa alternativa, desde que se tenham os aparelhos”, pontua o professor. 

Ouça a entrevista na íntegra. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.