Dossiê mostra marginalização do ensino de humanidades

Para professor, humanidades são consideradas inúteis ou prejudiciais no mundo moderno pragmático e imediatista

  • 3,3K
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

A 93ª edição da revista Estudos Avançados traz em seu dossiê principal um conjunto de artigos sobre o ensino de humanidades. Além de ponderações sobre a conjuntura atual da educação brasileira, os textos apresentam reflexões sobre o ensino de filosofia, história, geografia, música, literatura e religião. O professor Franklin Leopoldo e Silva, autor do artigo sobre filosofia, conversou com o Jornal da USP no Ar sobre os motivos de essa área ser marginalizada.

O especialista explica que, diferente das disciplinas de exatas, as humanidades não podem ser apenas descritivas. Além de apresentar os fatos, existe a reflexão e o lado crítico sobre o tema. Por isso, essa área não é favorecida pelas leis e autoridades, nem estimulada devidamente, pois não é de interesse do governo uma abordagem comprometida e crítica dos fenômenos humanos, capaz de interferir no andamento e controle da sociedade.

A filosofia ainda passa por maior precarização. Silva comenta que a história, por exemplo, possui um objeto bem delineado de estudo, já a filosofia não apresenta algo concreto, ela ensina a refletir criticamente sobre a vida, trabalho, economia e sociedade, o que demanda tempo e ritmo. A recusa dos mais jovens, segundo o professor, é a falta de perspectiva sobre a filosofia, já que não é estimulado como eles poderão usar o aprendizado adquirido.

As humanidades não são marginalizadas apenas no ensino básico. Para Silva, é visível o descaso com esses cursos nas universidades e também na sociedade. No mundo moderno, em que o pragmatismo e a utilidade imediata das coisas são valorizadas, essa área é considerada inútil ou prejudicial. Porém, o professor conta que muitas pessoas, depois de formadas, buscam a filosofia para entenderem a si mesmos e ao mundo.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 3,3K
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados