Competição matemática da USP atinge mais de mil alunos em escolas públicas

Focada na resolução de problemas, Liga ProMat é um projeto do Instituto de Matemática e Estatística (IME)

Por - Editorias: Extensão
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Mais de 360 equipes se inscreveram na Liga ProMat. Escolas participantes estão espalhadas por todo o Estado – Foto: Caem/IME-USP

.
A matemática não é e não precisa ser engessada como aprendemos em sala de aula. Esse é um dos princípios da Liga ProMat, competição matemática criada no segundo semestre de 2017 pelo Centro de Aperfeiçoamento do Ensino de Matemática (Caem) do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP.

A liga foca na resolução de problemas matemáticos como chave para o desenvolvimento do raciocínio lógico e do envolvimento dos alunos com a disciplina. Ao contrário do que ocorre em outras competições da área, o objetivo não é reunir apenas os melhores alunos da turma para disputar premiações individuais. O projeto é uma competição de equipes e aceita todos os estudantes interessados em participar.

Só na primeira edição, no ano passado, 1.314 estudantes do 4º ao 9º ano do ensino fundamental de escolas públicas de todo o Estado de São Paulo participaram do projeto.

.
Resultados

Inspirado por alguns projetos europeus e outros já implementados no Brasil, o Caem quis lançar uma competição científica que se diferenciasse de outras. Por isso, o projeto preza pelo trabalho em grupo e voluntário de professores e alunos.

“Todos os estudantes de escola pública independentemente do desempenho na disciplina podem se inscrever na competição desde que se organizem em grupos de dois a quatro alunos orientados por um professor da escola”, explica Ana Paula Jahn, professora do IME, diretora do Caem e especialista em educação matemática que coordenou o projeto.

Liga ProMat quer ajudar os alunos a se dedicarem à matemática e desenvolverem raciocínio lógico – Foto: Caem/IME-USP

.
A ideia é que a vontade de participar da liga parta do estudante e que ele aprenda, além da matemática, a trabalhar em grupo. Juntas, as crianças devem cooperar na resolução dos problemas apresentados semanalmente no
site da competição e dividir as tarefas entre si.

Essa foi uma habilidade primordial na final da competição, realizada em dezembro, presencialmente, no IME. “Optamos por dar três exercícios para avaliar como os estudantes iam trabalhar com o tempo e a distribuição de tarefas”, conta a professora. “Assim, os professores observaram a evolução dessas habilidades nos alunos.”

Um outro critério da competição é a obrigatoriedade de explicar como os estudantes chegaram ao resultados das atividades. Essa tarefa ajuda a desenvolver no aluno a capacidade de argumentar e se expressar claramente.

Como diferencial, a equipe da Liga ProMat dá retorno para todas as respostas, apontando o que pode ser melhorado e congratulando as tentativas.

Nesse aspecto, a professora Ana Paula chama a atenção para as respostas que foram além da sala de aula, que demandaram uma pesquisa extra do grupo. “Muitos professores ficavam preocupados porque alguns problemas envolviam conteúdos que, eventualmente, não tinham sido trabalhados em sala de aula”, lembra Ana Paula. “Mas uma dos objetivos do projeto é que os alunos busquem conhecimento fora do horário da aula da matemática. Então essa procura por novas formas de se informar e aprender é exatamente o que a gente quer despertar no estudante.”

Estudantes do ensino fundamental participam da entrega de prêmios – Caem/IME-USP

.
Ao final da primeira edição da competição, a professora avalia que além da responsabilidade de lidar com a formação matemática dos estudantes, o projeto tem um forte papel social.

“Participaram da liga professores que nunca tinham vindo à USP, alunos que nunca tinham conhecido a Universidade ou cujas famílias nem sabiam que a USP era uma universidade pública”, recorda Ana Paula. “E, ao participar do projeto, os estudantes vislumbraram que eles também podem vir a estudar aqui e podem melhorar o desempenho deles em matemática”, pontua.

O projeto foi contemplado pelo 1º edital Santander/USP/FUSP da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) e contou com a ajuda de cerca de 30 alunos do curso de Licenciatura em Matemática do IME, que se voluntariaram para colaborar na formulação, correção e organização das atividades.

.
A Liga em números

Em sua primeira edição, a competição matemática atingiu 1.314 alunos e 81 professores de 43 escola públicas espalhadas por 15 cidades do Estado de São Paulo, como a capital, Barueri, Carapicuíba, Piracicaba, São Vicente e Taboão da Serra.

Alunos do 4º ao 9º ano do ensino fundamental foram premiados em dezembro de 2017, no Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP – Caem/IME-USP

.
Ao contrário de outras competições de matemática, a quantidade de meninos e meninas foi equilibrada durante toda a competição. Dos 1.314 participantes, havia 651 garotas e 663 garotos. Foram 145 meninas finalistas, das quais 46 foram premiadas; ao lado de 132 meninos finalistas, dos quais 42 foram premiados.

.
Oficinas

Para encerrar o ciclo da primeira edição da Liga ProMat, o Caem oferecerá oficinas para dividir os resultados da competição com professores interessados.

No dia 18 de janeiro, o professor Marcos Alves do Santos, um dos organizadores do projeto, oferece a oficina Desafios do professor frente à resolução de problemas em sala de aula, na qual serão discutidas algumas dificuldades dos docentes identificadas ao longo do projeto.

No dia 22 de janeiro, a oficina A arte de resolver problemas no ensino de matemática será ministrada pelo professor Rogério Osvaldo Chaparin e apresentará novas formas e tendências na área de resolução de problemas.

Confira a programação de verão do Caem aqui.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados