Alguns cuidados são necessários para manter os pets seguros de alimentos e plantas tóxicas presentes em casa - Foto: Freepik

O que pode causar mal para meu pet? Projeto da USP traz lista de plantas e alimentos tóxicos para os bichinhos

Alunas do curso de Medicina Veterinária da USP produzem materiais educativos gratuitos sobre tipos de intoxicação e como manter o ambiente seguro para os animais domésticos

 14/03/2023 - Publicado há 12 meses     Atualizado: 20/03/2023 as 12:03

Luísa Hirata

Em dúvida se você pode dar aquela fruta para o seu cachorro ou comprar aquela planta ornamental para decorar a casa? No site Petmosfera, você pode se informar sobre essas e outras questões de intoxicação por alimentos e plantas de gatos e cachorros no ambiente doméstico, além de dicas de como criar uma atmosfera segura para eles. O site é resultado de um projeto de extensão universitária de alunas e professores da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP.  

Um dos objetivos do projeto é apresentar informações mais completas comparado ao que blogs e portais normalmente trazem. “Nesses locais, há a estratégia de abordar as plantas tóxicas como um ‘top 10’, então muitas espécies importantes de serem reconhecidas são deixadas de lado”, diz Júlia Waldvogel, aluna integrante do projeto. Outro alerta dado é que a intoxicação não se limita a vômitos e diarreias, como muitos podem pensar. “Algumas plantas podem ser extremamente perigosas e até causar falhas na função do coração e do sistema nervoso do pet.”

A ideia surgiu em sala de aula e tem orientação da professora Silvana Górniak. Parte das alunas do projeto são bolsistas do Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Estudantes da Graduação (PUB) da USP.

Todo cuidado é pouco

Talvez se pense que os animais domésticos contam com o instinto para saber o que faz bem ou não para eles, mas essa habilidade se perdeu com as mudanças resultantes da domesticação. No caso das plantas, algumas espécies podem ser perigosas se forem ingeridas, mastigadas ou entrarem em contato com a pele do animal. Porém, as participantes do projeto explicam nos materiais que, se forem mantidas a uma distância segura dos pets, é possível tê-las em casa. Exemplos de plantas tóxicas são o antúrio (também conhecido como flor-de-jorge-tadeu e planta-flamingo), a azaleia e a comigo-ninguém-pode.

Equipe Petmosfera, em sentido horário: Silvana Lima Górniak, Júlia Ferreira Waldvogel, Ana Karoline Martins de Lima, Gabriela Aparecida Borzan, Helena Martos Romboli e Júlia Silva Camargo - Fotos: Divulgação/FMVZ

Já no caso dos alimentos, aqueles que são tóxicos não devem ser oferecidos de forma alguma aos animais, nem em pequenas quantidades. Chocolate, uva e abacate, por exemplo, são comidas que causam desequilíbrios no organismo animal, com o risco de deixá-lo em estado grave. Nessa seção, o projeto traz informações que abrangem outros bichos domésticos para além de cães e gatos, como coelhos e aves.

Instinto não é suficiente para os pets identificarem o perigo

20230314_instinto_petmosfera

O instinto dos animais domésticos não é mais apurado como antes. Por isso, deixar plantas e alimentos tóxicos ao alcance deles é perigoso. Avalie os pontos da casa mais visitados pelo seu pet e mude de lugar o que for tóxico.

20230314_adultos_petmosfera

Os filhotes são mais vulneráveis a acidentes por intoxicação por serem curiosos, mas os adultos também podem entrar em contato com algo tóxico. Situações estressantes ou incômodos abdominais podem levar o animal a querer mastigar plantas.

A divulgação também busca auxiliar médicos-veterinários e profissionais do segmento pet, com cursos e materiais técnicos de capacitação e distribuição de guias e cartazes informativos em clínicas e hospitais universitários. No começo, direcionamos muitas atividades para levar informação aos donos de cães e gatos”, diz Júlia. “Mas com o tempo enxergamos outras oportunidades de público-alvo que poderiam complementar muito bem a promoção de um ambiente seguro e saudável para os pets.” 

A ideia é cobrir a lacuna que muitos veterinários tiveram durante a formação, sem contato com disciplinas voltadas a essa área da toxicologia. Além disso, como muitos pet shops vendem produtos de jardinagem, os atendentes, estando mais bem informados, podem orientar os tutores de animais domésticos na escolha de plantas ornamentais, explicando os cuidados necessários com cada espécie. 

Dicas gerais para um ambiente seguro

Em qualquer caso de suspeita de intoxicação, leve seu pet ao médico veterinário

Alguns dos sinais clínicos são: náuseas, diarreia, dificuldade para respirar, aumento da frequência cardíaca, convulsões, alterações no comportamento e reações alérgicas

Os sintomas podem se manifestar de imediato ou levar algumas horas e até dias, e sua intensidade também é variável

Para escolher onde colocar as plantas tóxicas em casa, avalie quais lugares seu animal de estimação costuma visitar e até onde eles alcançam

Para a alimentação dos pets, siga as instruções do médico veterinário para saber o que pode ser acrescentado à dieta deles de forma adequada

Em caso de dúvida, consulte os materiais do Petmosfera para identificar as plantas e os alimentos que exigem atenção e seguir orientações do que fazer.

Fotos: Freepik

As plantas podem ficar em vários cantos da casa. Sua localização mais adequada depende do comportamento do animal - Arte sobre foto: Divulgação/Petmosfera

Os materiais educativos do Petmosfera incluem artigos, bancos de imagens e revistas digitais com detalhes sobre os riscos de cada planta e alimento, além do que fazer para prevenir e tratar a intoxicação. Você pode baixá-los e deixar no celular para consultar quando for preciso.

Consulte a revista digital com exemplos de plantas ornamentais tóxicas, sinais clínicos e como mantê-las fora do alcance dos animais aqui. A revista sobre os alimentos está aqui. Confira também a seção de artigos neste link para tirar outras dúvidas sobre intoxicações que podem acontecer em casa. 

O Petmosfera teve fomento do Santander Universidades em conjunto com a Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP e recebe apoio das empresas PremieRpet e Zoetis. Se quiser entrar em contato com a equipe do Petmosfera, mande um e-mail para petmosfera@gmail.com. Acompanhe o projeto também pelo Instagram (@pet.mosfera).


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.