USP quer consolidar colaborações acadêmicas com universidades e instituições na China

Uma delegação da Universidade, liderada pelo reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior, está em missão internacional em universidades e órgãos governamentais chineses

 01/12/2023 – Publicado há 3 meses     Atualizado: 05/12/2023 as 12:42
Texto: Adriana Cruz

Na Academia Chinesa de Ciências, o reitor e a delegação da USP tiveram um encontro com o vice-presidente da instituição, Zhang Yaping – Foto: Divulgação

Estreitar os laços de ensino, de pesquisa e de extensão entre a USP e as instituições chinesas é o principal objetivo que a delegação da Universidade, liderada pelo reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior, tem à frente em uma missão internacional que está sendo realizada a universidades e a órgãos governamentais na China. 

A programação teve início no último dia 28 de novembro, na cidade de Beijing, onde seguiu até o dia 30, com visitas, encontros e reuniões com representantes de três universidades – Universidade de Agricultura da China, Universidade Renmin da China e Universidade de Pequim -, da Academia Chinesa de Ciências e do Ministério da Educação daquele país. A próxima parada será em Xangai, no dia 2 de dezembro, com compromissos agendados em duas instituições: a Universidade de Tongji, onde será assinada uma carta de intenções, e a Universidade Fudan.

No Ministério da Educação da China, os representantes da USP foram recebidos pelo diretor-geral Chen Dali – Foto: Divulgação

“Embora a programação esteja sendo muito intensa, os resultados têm sido muito bons. Em todas as instituições visitadas, temos possibilidades reais de excelentes colaborações. Nossa expectativa é a de termos representações chinesas na USP, com a presença permanente de pesquisadores, promoção de programas de dupla titulação e lançamentos de editais conjuntos. Estamos sendo bem recebidos e, pessoalmente, estou bem impressionado com o desenvolvimento da China”, avalia Carlotti.

Segundo o reitor, foram discutidas várias oportunidades de interação em nível de graduação, de pós-graduação e de pesquisa, e já há diversos projetos em curso entre a USP e as universidades chinesas que podem constituir um embrião de um centro de pesquisas binacional, principalmente nas áreas de Ciências Sociais e Humanidades, de Ciências Agrárias, de Ciências Ambientais e de Geociências.

Além de Carlotti, a delegação é formada pelo pró-reitor de Graduação, Aluísio Augusto Cotrim Segurado; pela vice-presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (Aucani), Marly Babinski; pelo diretor do Instituto de Geociências (IGc), Caetano Juliani; pelo diretor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Paulo Martins; pelo diretor da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), Carlos Eduardo Ambrósio; pela diretora da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), Thais Vieira; pelo diretor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG), Ricardo Trindade; pela professora da Escola de Comunicações e Artes (ECA), Cecília Mello; e pelo professor da FFLCH, Shu Shangsheng.

Ampliar parcerias

No dia 28 de novembro, a delegação esteve na Universidade de Agricultura da China (CAU, na sigla em inglês), que mantém parceria com diversas unidades da USP, como a Esalq e a FZEA, além de um programa de dupla titulação com a Universidade. 

Na CAU, os dirigentes da USP foram recebidos pelo reitor Sun Qixin, que destacou a parceria entre as duas instituições e expressou a expectativa de poder aprofundar a cooperação com a Universidade. A comitiva também teve a oportunidade de se encontrar com estudantes chineses, brasileiros e oriundos de outros países, que fazem a dupla titulação, e com os professores da Esalq, Luiz Gustavo Nussio, Antônio Almeida Junior e Ricardo Oliveira, que são docentes do curso.

Na CAU, a comitiva teve a oportunidade de se encontrar com estudantes chineses, brasileiros e oriundos de outros países, que fazem a dupla titulação, e com os professores da Esalq que são docentes do curso – Foto: Divulgação

No mesmo dia, à tarde, os professores da USP estiveram na Universidade Renmin da China, onde foram recebidos pelo vice-reitor da instituição, Wu Fulai, e por docentes das áreas de Artes, Ciências Sociais, Economia e Desenvolvimento Rural, Gestão Pública e Estudos Ambientais.

Os professores demonstraram a intenção de estreitar relações com a USP para elaboração de programas conjuntos, que poderão contar com um fundo de apoio coordenado pela universidade para o intercâmbio de alunos e docentes a partir da implantação de um centro binacional.

Consolidar cooperações

Na Academia Chinesa de Ciências, o reitor e a delegação da USP tiveram um encontro com o vice-presidente da instituição, Zhang Yaping, que mencionou as colaborações já em curso entre grupos de pesquisa chineses e brasileiros, principalmente nas áreas de geologia e geofísica. Na ocasião, foi assinada uma carta de intenções entre a Academia e a Universidade para formalizar a parceria. 

O grupo visitou o Instituto de Geologia e Geofísica da Academia Chinesa de Ciências – Foto: Divulgação

Em seguida, o grupo seguiu para uma visita ao Instituto de Geologia e Geofísica da Academia. O coordenador do instituto, Peng Peng, afirmou querer ampliar as colaborações com a USP, principalmente nas áreas voltadas a Mudanças Climáticas, Clima Espacial e à Anomalia Magnética do Atlântico Sul, Estrutura da Placa Sul-Americana e Estudos de Recursos Minerais visando à Transição Energética.

Na manhã do dia 30 de novembro, a comitiva brasileira esteve na Faculdade de Medicina e no Hospital Universitário da Universidade de Pequim – Foto: Divulgação

À tarde, houve uma visita ao Ministério da Educação da China, onde os representantes da USP foram recebidos pelo diretor-geral, Chen Dali. Está prevista para 2024 uma visita do ministro da Educação chinês, Chen Baosheng, ao Brasil, como parte das celebrações dos 50 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países. Carlotti ressaltou o interesse da Universidade em aprofundar as relações com a China e convidou o ministro para uma visita à USP.

Na Universidade Tsinghua, a visita foi ao Centro de Pesquisa para Comunicação Audiovisual, com o qual a ECA já mantém parceria – Foto: Divulgação

Na manhã do último dia de visita a Beijing, no dia 30 de novembro, a comitiva brasileira se dividiu em três grupos para visitas à Faculdade de Medicina, ao Hospital Universitário e à Faculdade de Humanidades, na Universidade de Pequim, e à Universidade de Geociências da China. A Universidade de Pequim, que é uma instituição cujo foco está voltado ao estudo e à pesquisa sobre línguas estrangeiras, manifestou a disposição para assinar um acordo de cooperação com a USP.

Na Universidade Tsinghua, a instituição chinesa mais bem colocada nos rankings internacionais (na classificação mundial do QS, a instituição ocupa a 25ª posição), a visita foi ao Centro de Pesquisa para Comunicação Audiovisual, com o qual a ECA já mantém parceria. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.