Doença dos telômeros pode gerar impactos no sistema imunológico - Fotomontagem: Jornal da USP - Imagens: Wikimedia Commons

Cientistas descobrem efeitos importantes da doença dos telômeros no sistema imunológico

Experimentos com animais mostraram que doença causa resposta inflamatória desregulada; testes com pacientes revelaram desequilíbrio de células que coordenam resposta imune

 13/04/2023 - Publicado há 10 meses     Atualizado: 14/04/2023 as 15:00

Texto: Júlio Bernardes
Arte: Carolina Borin Garcia

Pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP descobriram efeitos importantes no sistema imunológico da doença dos telômeros, que afeta os cromossomos e interfere na multiplicação das células, lesiona o fígado e a medula óssea. Experimentos com animais mostraram que a doença leva um tipo de células de defesa do corpo, os macrófagos, a produzirem uma resposta inflamatória desregulada. Ao mesmo tempo, testes com pacientes revelaram um desequilíbrio na proporção de alguns tipos de linfócitos, células que coordenam e desencadeiam a resposta imune. Os resultados do estudo, descrito em artigo da revista científica Blood, abrem caminho para entender como a doença dos telômeros age nas células imunes e evitar no futuro o desenvolvimento de complicações no organismo.

“Os telômeros formam as pontas dos cromossomos e servem para proteger o DNA das células, funcionando também como ‘relógio biológico’. Eles encurtam naturalmente com a divisão celular, e quando ficam muito curtos, a célula morre ou entra em senescência, isto é, para de se multiplicar”, explica ao Jornal da USP o pesquisador Willian Robert Gomes, doutorando da FMRP e primeiro autor do artigo. “Alguns tipos celulares, como as células-tronco, precisam se multiplicar constantemente e, por isso, produzem a enzima telomerase, que restabelece o comprimento dos telômeros e evita seu desgaste.”

Nas doenças dos telômeros, chamadas de telomeropatias, a telomerase é disfuncional e esse encurtamento ocorre muito mais rápido. “As células perdem a capacidade de funcionar e se multiplicar corretamente”, observa Gomes. “As manifestações que requerem mais atenção são falência de medula óssea, quando ela deixa de produzir as células do sangue de forma adequada, e fibrose dos pulmões e do fígado.”

Segundo o pesquisador, células-tronco da medula óssea se dividem constantemente para produzir as células do sangue. “Por isso é essencial que o comprimento de seus telômeros seja sempre mantido pela telomerase”, enfatiza. “Nas telomeropatias, estas células-tronco param de se replicar ou se replicam muito lentamente, e assim, a medula não produz um número suficiente de células sanguíneas.”

Willian Robert Gomes - Foto: Arquivo Pessoal

Inflamação anormal

Estudos em camundongos com lesões induzidas no fígado mostraram que os macrófagos, células do sangue instaladas nos tecidos com função de defesa, respondem a estímulos inflamatórios de maneira anormal quando os genes da telomerase são “deletados”. “Também vimos que os pacientes com telomeropatias possuem um desequilíbrio nas proporções dos subtipos de linfócitos Th1, Th2e Th17”, aponta Gomes. Os linfócitos são células que desencadeiam e controlam a resposta imune do organismo, reconhecendo ameaças e produzindo anticorpos. “Ainda precisamos estudar mais a fundo a relação entre essas alterações e o desenvolvimento da fibrose, mas sabemos que essas células têm papel fundamental nas respostas fibróticas.”

Os linfócitos T são células com funções imunológicas de efetuação de respostas antivirais. Os linfócitos naïve correspondem ao grupo de células B ou células T maduras provindas de órgãos linfoides que nunca encontraram um antígeno diferente – Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

De acordo com o pesquisador, o estudo descobriu ainda que os pacientes possuem alterações semelhantes às encontradas em imunodeficiências congênitas. “Entre elas, está o baixo número de linfócitos naïve, responsáveis pela resposta a novos patógenos, como vírus e bactérias”, destaca. “Outros subtipos estão proporcionalmente reduzidos ou aumentados, o que sugere que o sistema imune dos pacientes tem características diferentes das pessoas saudáveis.”

+ Mais

Tratamento com testosterona reverte efeitos de doença rara que afeta sangue e pulmões

“Se encontrarmos qual a relação entre as alterações imunes e o desenvolvimento das complicações que ocorrem nas doenças dos telômeros, poderemos encontrar maneiras de evitar ou reduzir o aparecimento desses problemas”, salienta Gomes. “No entanto, ainda é preciso investigar mais a fundo o papel que estas células imunes têm na doença.”

A pesquisa foi orientada pelo professor Rodrigo Calado, da FMRP. O artigo baseado no estudo, Immune Dysregulation in Human Telomere Diseases, foi publicado na revista científica Blood, editada pela American Society Of Hematology, dos Estados Unidos.

Mais informações: e-mail williangomes@usp.br, com Willian Robert Gomes


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.