Políticas públicas aplicadas no Brasil são ultrapassadas

Especialista ressalta a importância do pensamento sistêmico para a sociedade avaliar o progresso do Estado

  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

A falta da produção de políticas públicas de qualidade é um dos grandes problemas históricos enfrentados pelo Brasil. Para esclarecer a sua não eficiência, o Jornal da USP no Ar entrevista Hamilton Coimbra Carvalho, doutorando em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, associado à Behavioral Science & Policy Association.

Hamilton Carvalho acredita que no Brasil é posta em prática muita política pública que não previne os problemas que são concretos e previsíveis, como é o caso da Reforma da Previdência, um abismo que o sistema político não consegue resolver. Porém, reconhece que a política pública é um desafio enfrentado por diversas sociedades.

No entanto, muitas delas são ruins por serem desatualizadas. Ele afirma que não tem sentido ser feito tabelamento de preços, como a péssima experiência nos anos de 1980. Dessa forma, em vez de solucionar uma adversidade, podem ser criados novos problemas. Outro exemplo é o que ocorre com o transporte de combustível, que deveria ter desconto no diesel, mas, como é tabelado, seu custo é aumentado.

Em relação ao projeto do Rodoanel, o pesquisador alega que essa construção é uma típica política pública ruim, porque dá resultados bons a curto prazo, mas com o tempo vai demonstrando suas consequências, pois quanto mais estrada você produz, mais veículo você atrai.

Por essa razão, é preciso promover uma visão sistêmica nas escolas e na política para que haja um incentivo que possibilite a avaliação por parte de setores da sociedade sobre as políticas públicas. É difícil para o cidadão comum avaliar o progresso do Estado, o que faz com que seja imprescindível a evolução de instituições que possam contribuir com o aumento do pensamento sistêmico social.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados