Hanseníase ainda é doença negligenciada no Brasil e continua em alta

Mariângela Biaconcini reforça a importância das chamadas buscas ativas, que auxiliam na detecção e notificação de novos casos

– Foto: Ary Portugal/PMSJP via Governo do Brasil

A hanseníase é uma doença crônica contagiosa que afeta quase 300 mil pessoas no mundo todo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Embora existam tratamentos eficazes, no Brasil essa enfermidade é negligenciada e ainda afeta parte considerável da população, principalmente a mais pobre. O Jornal da USP no Ar conversou sobre o assunto com a professora Mariângela Biaconcini Trindade, dermatologista do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da USP, que traçou um panorama da doença no País.

A especialista explica que a doença é causada por bactérias e não é hereditária, embora algumas famílias tenham menores resistências aos bacilos do que outras. No Estado de São Paulo, são registrados cerca de mil casos por ano, afetando principalmente jovens adultos. Em outras regiões do País, como Norte e Nordeste, a ocorrência da hanseníase em menores de 15 anos é uma realidade. Mariângela comenta que pesquisadores da USP vêm mapeando o avanço da doença e ressalta que o desenvolvimento dela “depende do bacilo, do hospedeiro e das condições do ambiente. O Brasil tem ‘clusters’, áreas em que os diagnósticos são mais predominantes do que em outras, e no HC a maioria dos pacientes diagnosticados com a doença vive em condições precárias e temos um alto número de incapacitados nessas regiões”.

Tendo isso em vista, a médica reforça a importância das chamadas buscas ativas, que auxiliam na detecção e notificação de novos casos. Isso se dá porque, mesmo tendo uma taxa de infecciosidade alta, apenas 5% das pessoas afetadas pelas bactérias adoecem de fato, favorecendo um diagnóstico tardio que pode levar ao agravamento do estado de saúde do paciente. Além disso, “é importantíssimo que a população tenha conhecimento sobre essa doença crônica, que é tão negligenciada em relação a outras agudas, assim elas conseguem identificar seus sintomas e buscar auxílio médico”, conscientiza Mariângela. “Campanhas governamentais são eficazes para isso, pois no passado isso já funcionou.”

Alguns dos sintomas da hanseníase são manchas pelo corpo, queda de pelos e diminuição da sensibilidade da pele. Caso chegue a um estado avançado, pode causar deformidades nos membros. O tratamento já existe e é gratuito. Para saber mais sobre isso e conferir detalhes da pesquisa de mapeamento dos pesquisadores da USP sobre a incidência da doença na população brasileira, basta ouvir a entrevista na íntegra.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.