O perigo representado por um simples cigarro de maconha

Colunista alerta que muitas vezes os viciados em pedras de crack iniciaram o vício com o cigarro de maconha com os colegas da escola

 16/02/2021 - Publicado há 8 meses
Por

O médico João Paulo Lotufo tem histórias no mínimo reveladoras em seu atendimento no Codad – Centro de Orientação e Dissuasão do Uso de Álcool e Drogas do Hospital Universitário da USP. Nesta última semana, uma mãe relatou o desespero que enfrenta com um filho viciado em crack. Ane Monteiro, que é fumante, conseguiu parar de fumar, mas, frente ao caso de seu filho viciado, teve uma recaída e voltou a usar cigarros.

Ela relata que, “enquanto fumava maconha e usava cocaína, ele nunca mexeu nas nossas coisas. Quando ele passou para a pedra começou a sumir as coisas dentro de casa”. A gota d’ água foi o sumiço da sua aliança de casamento. A mãe, desesperada, deixa um recado para outras mães que têm filhos adolescentes: “As mães têm que prestar muita atenção nos filhos e a maconha não é uma droga ‘normal’, ela muitas vezes é a porta de entrada das drogas mais fortes”.


Dr. Bartô e os Doutores da Saúde
A coluna Dr. Bartô e os Doutores da Saúde, com o médico assistente do Hospital Universitário da USP João Paulo Lotufo, vai ao ar toda terça-feira às 09h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.