Saúde Sem Complicações #9: Cerca de 10% da população sofre com deficiência auditiva

Congênita ou adquirida ao longo da vida, a deficiência auditiva pode ter diferentes causas. “A ocorrência da deficiência auditiva congênita é grande e quanto mais cedo for diagnosticada, melhores os resultados dos tratamentos aplicados ao bebê”, garante Luiz Fernando Manzoni Lourençone

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=302046

Saúde Sem Complicações #9: Cerca de 10% da população sofre com deficiência auditiva
Saúde sem Complicações

 
 
00:00 / 30:25
 
1X
 

O podcast Saúde sem Complicações desta semana recebe o professor Luiz Fernando Manzoni Lourençone, do curso de Medicina da Faculdade de Odontologia (FOB) da USP em Bauru, chefe da Seção de Implante Coclear e presidente da Comissão de Residência Médica (Coreme) do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP, para falar de deficiência auditiva. 

Lourençone afirma que a deficiência auditiva tem impacto muito significativo na vida dos pacientes, prejudicando a comunicação e as atividades cotidianas dessas pessoas. Esse fato, alerta o professor, reforça ainda mais a necessidade de medidas de saúde pública, trabalhistas e educacionais sobre o problema.

Segundo o professor, a deficiência auditiva é bastante comum; a incidência na população é de aproximadamente 5% a 10% e pode ocorrer por diversos fatores como excesso de ruídos, malformações, infecções, traumas, inflamações e até mesmo doenças do cotidiano num grau bastante elevado como diabete e hipertensão. Doenças neurológicas e câncer também podem provocar perda de audição. 

Os níveis da perda auditiva variam entre leve, moderado, severo e profundo. E a classificação da doença fica adquirida ou congênita —  aqueles que já nascem com o problema devido a mutações genéticas ou fatores hereditários. É por isso que o professor Lourençone chama a atenção para a importância do teste da orelhinha que deve ser feito logo após o nascimento de bebês. “A ocorrência da deficiência auditiva congênita é grande e quanto mais cedo for diagnosticada, melhores os resultados dos tratamentos aplicados ao bebê”, garante.

Para detalhes sobre formas de tratamento, ouça acima o podcast na íntegra com a repórter Mel Vieira. 


Saúde sem complicações

Apresentação: Mel Vieira
Coordenação: Rosemeire Talamone
Produção: Mel Vieira e Maju Petroni
Edição Geral: Cinderela Caldeira
Edição Sonora: Mariovaldo Avelino e Luiz Fontana
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: terça-feira, às 13h.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.