Alain Aspect, John Clauser e Anton Zeilinger – Fotos: Ecole Polytechnique Université Paris-Saclay, Peter Lyons e Jaqueline Godany/Wikimedia Commons

Estudos que receberam o Nobel de Física 2022 podem ajudar no desenvolvimento de supercomputadores quânticos

Cientistas Alain Aspect, John Clauser e Anton Zeilinger foram laureados com o prêmio por seus trabalhos inovadores no campo da mecânica quântica

 05/10/2022 - Publicado há 4 meses

Texto: Pedro Ferreira

Arte: Rebeca Fonseca

Os pesquisadores Alain Aspect, John Clauser e Anton Zeilinger são os ganhadores do Prêmio Nobel de Física 2022. Os três cientistas receberam o prêmio devido aos seus experimentos inovadores envolvendo o emaranhamento quântico, em que duas partículas se comportam como uma única unidade mesmo quando estão separadas. Segundo Anders Irbäck, presidente do Comitê Nobel de Física, “tornou-se claro que um novo tipo de tecnologia quântica está emergindo. Nós podemos ver que o trabalho dos laureados com estados emaranhados é de grande importância, até mesmo além das questões fundamentais sobre a interpretação da mecânica quântica”, disse, em comunicado da Academia Real das Ciências da Suécia.

Por muito tempo, a dúvida era se a correlação ocorria porque as partículas emaranhadas continham variáveis escondidas. Na década de 1960, o físico John Stewart Bell desenvolveu o teorema que leva seu nome. Ele determina que caso haja variáveis escondidas, a correlação entre os resultados de um longo número de medidas nunca excederá um determinado valor. No entanto, a mecânica quântica prevê que um certo tipo de experimento violará o teorema de Bell, portanto, resultando em uma correção mais forte do que seria possível de outra forma.

John Clauser desenvolveu um experimento prático a partir das ideias de John Bell e concluiu que a mecânica quântica não pode ser substituída por uma teoria que usa variáveis escondidas, enquanto Alain Aspect foi capaz de trocar as configurações de medida após um par de partículas emaranhadas ter saído da fonte, para que as configurações do momento em que elas foram emitidas não afetassem o resultado. Já o grupo de pesquisa de Anton Zeilinger demonstrou um fenômeno chamado de teleporte quântico, que possibilita mover um estado quântico de uma partícula para outra em uma certa distância. Os trabalhos fazem parte de uma nova leva de avanços nos estudos da área, que pode proporcionar o desenvolvimento de supercomputadores quânticos, com uma capacidade de cálculo capaz de resolver problemas que atualmente são impossíveis de serem solucionados.

Entenda mais sobre o emaranhamento quântico com os vídeos abaixo: 

Física quântica será ainda mais presente no cotidiano

Grupo da USP alcança marca inédita em experimentos de física quântica

Avanço da física quântica no País depende de investimentos


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.