Macabéa: nas páginas da diversidade

“Macabéa nos faz lembrar que ela também está dentro de cada um de nós. Ela denuncia que somos todos diversidade e, por isso, é possível pagar um alto preço simplesmente por estar vivo”

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

logo_radiousp_790px
.
00

Detalhe da capa de A Hora da Estrela de Clarice Lispector
Detalhe da capa de A Hora da Estrela de Clarice Lispector

Macabéa, personagem a que a arte e o talento de Clarice Lispector deram vida em A Hora da Estrela,  tem um importante papel a cumprir na questão da diversidade. Afinal, a vida, para essa nordestina vinda de Alagoas e vivendo no Rio de Janeiro, se resumia a comer cachorro-quente, beber Coca-Cola e ouvir um programa de rádio que veiculava curiosidades. A personagem, como a própria Clarice Lispector admitiu, “era de uma inocência pisada, de uma miséria anônima. Daí Macabéa representar muito a diversidade e o seu processo de discriminação em sua essência”. Esse personagem, que tem um caráter universal, também foi levado para as telas do cinema.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados