Revista USP – Número 123 – outubro/novembro/dezembro 2019

Editora: SCS/USP
Idioma: Português
Confira abaixo os artigos deste número e dos anteriores.

A Revista USP também oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo no Portal de Revistas da USP, seguindo o princípio de proporcionar maior democratização mundial do conhecimento

histórias culturais transatlânticas

O intercâmbio cultural entre a Europa, a África e as Américas

O espaço atlântico se configura como uma vasta e imensa área por sobre a qual se entreolham três continentes: o americano, o africano e o europeu. A partir do século XVI, com as grandes navegações, passou a designar também um universo ainda mais amplo e diversificado, compreendendo não só as distâncias geográficas que separam esses continentes, mas sobretudo as aproximações humanas e culturais que os unem, em constante trânsito a se fazer – como diria o protagonista do romance A relíquia, de Eça de Queirós – daquém e dalém mar. Tais aproximações, no entanto, nem sempre foram tranquilas ou afirmativas, quase nunca isentas de conflito, mas sempre e indiscutivelmente transformadoras.

É nesse espaço de múltiplas transformações, cujos mecanismos funcionam não necessariamente no sentido convencional (muito pelo contrário!), do centro para a periferia ou do norte para o sul, que navegam os autores dos artigos deste dossiê “Histórias Culturais Transatlânticas”, organizado por dois franceses e uma brasileira: Anaïs Fléchet, professora do Departamento de História da Université Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines; Olivier Compagñon, professor do Institut des Hautes Etudes d’Amérique Latine da Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3; e Gabriela Pellegrino Soares, professora do Departamento de História da Universidade de São Paulo e uma das coordenadoras do projeto Fapesp/ANR Transatlantic Cultures, do qual os seis textos aqui apresentados fazem parte.

Esta edição da Revista USP traz ainda, na seção Arte, uma reflexão de Alecsandra Matias de Oliveira sobre o painel Etnias – do primeiro e sempre Brasil, da artista plástica Maria Bonomi, exposto desde 2006 no Memorial da América Latina, em São Paulo. Já na seção Textos, é oportuno o ensaio de Lilian Al-Chueyr Pereira Martins, da USP em Ribeirão Preto, onde são revistas as origens do pensamento luminoso de Charles Darwin, agora em que se comemoram 210 anos de seu nascimento e 160 da publicação de sua obra mais famosa e fundamental, A origem das espécies.

Por último, e não menos importante, gostaria de aproveitar para fazer os agradecimentos em nome de toda a equipe a José Francisco Carvalho Costa, jornalista que, com extrema diligência, expertise e cordialidade, esteve à frente desta publicação desde seu nascimento, 30 anos atrás, e que, a partir deste número, deixa a Revista USP para cuidar de outros projetos. Um brinde, portanto, a você, caro Chico Costa!

Jurandir Renovato

Apresentação

O dossiê que organizamos para a Revista USP traz alguns resultados do projeto de cooperação internacional Transatlantic Cultures. Cultural Histories of the Atlantic World 18th – 21st Centuries, financiado pelas agências Fapesp e ANR (Agence Nationale de la Recherche). O projeto volta-se à construção de uma plataforma digital, de livre acesso, reunindo narrativas sobre as dinâmicas de circulação cultural que, na época contemporânea, entrelaçaram regiões do espaço atlântico. A plataforma, em fase de experimentação, está baseada na Digital Humanities open platform – TGIR Huma-Num – vinculada ao CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique), na França. Ao lado das equipes brasileira e francesa que compõem o Comitê Editorial, contamos com uma extensa rede de colaboradores, de diferentes países e instituições, convidados a escrever sobre seus temas de pesquisa em uma perspectiva que ilumine a importância dos intercâmbios transnacionais na própria constituição do objeto.
As abordagens desenvolvidas dialogam com correntes hoje em voga no campo da história – as chamadas histórias conectadas, a história transnacional, a história global – que compartilham a crítica aos tradicionais enquadramentos eurocêntricos e desafiam o historiador a explorar novos ângulos de análise e a observar, em meio a tramas de poder profundamente desiguais, as relações multidirecionais constitutivas da modernidade.

Leia mais

Gabriela Pellegrino Soares

Anaïs Fléchet

Olivier Compagñon

O texto discute as especificidades históricas do espaço sul-atlântico com base em três períodos a partir da chegada de Pedro Álvares Cabral, em 1500, passando pela abertura do Canal de Suez (1869), até o fim do apartheid na África do Sul (1991-1994), acontecimentos que favorecem a reemergência dos laços sul-sul no Atlântico. Assim, o artigo explora a dimensão cultural das conexões sul-atlânticas, embora se centre, fundamentalmente, na construção do conceito espaço-temporal.

Palavras-chave: espaço sul-atlântico; África Subsaariana; laços sul-sul no Atlântico.

The text discusses the historical specificities of the South Atlantic area based on three periods since the arrival of Pedro Álvares Cabral in 1500, passing through the opening of the Suez Canal (1869), until the end of the apartheid in South Africa (1991-1994), events that support the reemergence of south-south bonds in the Atlantic Ocean. Thus, this article explores the cultural dimension of South Atlantic connections, although it focuses primarily on the construction of the space-temporal concept.

Keywords: south-Atlantic area; Sub-Saharan Africa; south-south bonds in the Atlantic.

 

O cubano Fernando Ortiz desenvolveu um conjunto de iniciativas que o consagrou como um personagem de proa da vida intelectual latino-americana. Abriu novas perspectivas para o estudo do negro e das relações interétnicas ao propor temáticas e interpretações inéditas, a exemplo do conceito de “transculturação”. Neste texto analisamos como a perspectiva transcultural marca tanto a sua obra quanto a sua ação como intelectual público. Para tanto nos deteremos sobre suas pesquisas a respeito do negro e da transculturação, assim como sobre sua atuação para combater o racismo e promover a solidariedade política e o intercâmbio intelectual no espaço atlântico.

Palavras-chave: Cuba; transculturação; negro; racismo; exílio republicano espanhol.

The Cuban Fernando Ortiz developed a set of initiatives that consecrated him as a leading character of Latin American intellectual life. Fernando Ortiz opened new perspectives for the study of black people and interethnic relations by proposing unprecedented themes and interpretations, such as the concept of “transculturation.” In this text, we analyze how the cross-cultural perspective marks both his work and his action as a public intellectual. To do so, we will focus on his research on black people and transculturation, as well as on his action to combat racism and promote political solidarity and intellectual exchange in the Atlantic area.

Keywords: Cuba; transculturation; black; racism; Spanish Republican exile.

 

A música popular é frequentemente analisada a partir de “gêneros musicais” nacionais. Basta lembrarmos dos mais tradicionais gêneros musicais do continente americano, como o samba, o jazz, a rumba, bolero e tango, para que nossa memória cultural os relacione aos seus países de “origem”: Brasil, Estados Unidos, Cuba, México e Argentina, respectivamente. A historiografia da música, já há algum tempo, vem problematizando essa abordagem pautada pelo recorte nacional. Nessa linha, propomos uma cartografia centrada nas trocas musicais entrecruzadas entre Europa, Américas e África.

Palavras-chave: música nas Américas: história; gêneros musicais: séculos XIX e XX; música popular: conexões atlânticas.

Popular music is often analyzed from national “musical genres.” We just need to recollect the most traditional musical genres of the American continent, such as samba, jazz, rumba, bolero and tango, so that our cultural memory relates them to their countries of “origin”: Brazil, the United States, Cuba, Mexico, and Argentina, respectively. The historiography of music has been problematizing this approach based on the national panorama for some time. In this line, we propose a mapping focused on the musical exchange between Europe, Americas, and Africa.

Keywords: music in Americas: history; musical genres: 19th and 20th centuries; popular music: Atlantic connections.

 

O texto analisa o modernismo musical brasileiro nas décadas de 1920 a 1940, focando na circulação de músicos, obras musicais e ideias estéticas entre o Brasil e outros países como França, Estados Unidos, Argentina e Uruguai. Pretende-se demonstrar a importância da circulação internacional para a consolidação da carreira dos músicos modernistas e para a criação de uma definição de música brasileira que se tornaria referência na cultura nacional.

Palavras-chave: modernismo; música; nacionalismo.

 

This text analyzes the Brazilian musical modernism in the 1920s and 1940s, focusing on the circulation of musicians, musical works and aesthetic ideas between Brazil and countries such as France, the United States, Argentina, and Uruguay. We intended to show the importance of international circulation to consolidate the career of modernist musicians and create a definition of Brazilian music that would become a reference in national culture.

Keywords: modernism; music; Nationalism.

O artigo tem como objetivo fazer uma síntese biográfica e filmográfica sobre a cineasta Sarah Maldoror (1939-). A cineasta construiu a base de sua carreira na França, onde seguiu dirigindo filmes, trabalhando na televisão e atuando no espaço público em favor da imigração, da comunidade negra e das mulheres. Uma característica marcante em suas obras fílmicas é o diálogo com a literatura, entre contos, romances e poesia, e as artes em geral.

Palavras-chave: Sarah Maldoror; cinema; política; artes.

This article aims to produce a biographical and filmography synthesis about the filmmaker Sarah Maldoror (1939-). This filmmaker built the basis of her career in France, where she continued directing films, working on television and acting in public space to support immigration, the black community and women. A remarkable feature in her films is the dialogue with literature, among short stories, novels and poetry, and the arts in general.

Keywords: Sarah Maldoror; cinema; policy; Arts.

 

O artigo se ocupa das práticas históricas e culturais que envolvem o cinema no espaço transatlântico, mapeando seus diferentes vetores de mediação: a circulação de filmes, textos e teorias; o intercâmbio institucional; os agentes envolvidos nesse processo; e os espaços de sociabilidade e consumo. Como estudo de caso, examinaremos a participação do cinema nas exposições universais.

Palavras-chave: transferências culturais; história do cinema; história cultural; exposições universais.

This article addresses the historical and cultural practices that involve the cinema in the transatlantic space, mapping its different vectors of mediation: the circulation of films, texts and theories; institutional exchange; the agents involved in this process; and spaces of sociability and consumption. As a case study, we will examine the participation of cinema in universal exhibitions.

Keywords: cultural transfers; history of cinema; cultural history; universal exhibitions.

 

Números anteriores

Clique no número abaixo da imagem para ver a Revista

Páginas especiais:

Revista USP é uma publicação trimestral da Superintendência de Comunicação Social (SCS) da USP. Criada em 1989, é um veículo cultural de caráter ensaístico, o que confere maior dinamismo aos textos. Além disso, é multidisciplinar, aberta a todas as tendências. Outro fator a torna especial: a qualidade indiscutível dos colaboradores, que lhe possibilita ser um verdadeiro padrão de excelência dentro do universo cultural brasileiro.

Você terá a satisfação de ler a cada volume textos assinados pelos mais renomados autores em seu setor. Multidisciplinar e sem preconceitos, a Revista USP não privilegia esse ou aquele enfoque, esse ou aquele grupo, é aberta a todas as tendências.  

Endereço:

Rua da Praça do Relógio 109
Bloco L – 4o. andar
Cidade Universitária
Butantã – São Paulo/SP
CEP 05508-050
Telefone: (11) 3091-4403
Site: jornal.usp.br/revista-usp
e-mail: revisusp@usp.br