USP em São Carlos sedia disputa de robôs em etapa da Olimpíada Brasileira

Evento é gratuito e será realizado nos dias 11 e 12 de junho. das 8h30 às 18h30, no ginásio de esportes do campus da USP 

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail
1
Nas diversas arenas de madeira, os robôs precisam superar desafios para garantir uma medalha à equipe – Foto: divulgação
Se você é fã de alguma modalidade esportiva, provavelmente está se planejando para assistir ao vivo ou pela televisão às Olimpíadas Rio 2016. Mas no próximo final de semana, dias 11 e 12 de junho, terá uma oportunidade única: acompanhar disputas entre atletas que não são de carne e osso. É quando acontecerá a etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) no ginásio de esportes do campus da USP em São Carlos: 184 equipes de escolas públicas e particulares da região participarão da iniciativa.

Quem não vai competir também poderá assistir ao evento, que será realizado durante os dois dias a partir das 8h30 e prossegue até por volta das 18h30. A entrada é gratuita e a estimativa é de que o público presente ultrapasse, no total, mil pessoas, somando-se competidores, técnicos, voluntários, pais e visitantes.

O ginásio de esportes do campus da USP em São Carlos tem acesso pela rua dos Inconfidentes, 85 (acesse o mapa). “É a terceira vez que a cidade sedia a etapa regional do evento, realizado anualmente”, explica a coordenadora da iniciativa em São Carlos, professora Roseli Romero, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP.

As equipes competidoras são compostas por, no máximo, quatro estudantes cada e estão divididas em dois níveis: o nível 1 é voltado aos alunos do ensino fundamental e o nível 2 aos do ensino médio e técnico.

3
Equipes podem testar os robôs nas arenas de treinamento antes de cada rodada da competição – Foto: divulgação

Basicamente, o que muda de um nível para outro é o grau de dificuldade a ser enfrentado pelos competidores. No nível 1, há uma simulação de resgate e o robô competidor precisa encontrar uma vítima, superando várias adversidades. Já no nível 2, além de encontrar a vítima durante a simulação, o robô deve resgatá-la, passando também por diversos obstáculos e cruzamentos.

Cada nível conta com três rodadas de disputa nas categorias fácil, médio e difícil. Em São Carlos, no sábado, dia 11 de junho, 43 equipes disputarão a competição no nível 1 e 46 equipes no nível 2. Já no domingo, dia 12 de junho, serão 54 equipes competindo no nível 1 e 41 no nível 2 (confira a lista completa dos competidores).

Em todo o estado de São Paulo, serão nove etapas regionais da OBR, das quais participarão 640 equipes. Os melhores classificados nessas regionais irão disputar a etapa estadual no dia 13 de agosto, nas dependências do Centro Universitário da FEI, em São Bernardo do Campo. E quem obtiver bons resultados na etapa estadual vai competir na final nacional, que será realizada de 8 a 12 de outubro em Recife.

Robótica em expansão

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

“Um dos nossos objetivos é divulgar a robótica para as escolas do ensino fundamental, médio e técnico, por meio de minicursos, exposições, feiras, competições, visando atrair estudantes para as áreas de ciências exatas e estimular a inovação tecnológica”, destaca a professora Roseli, que também coordena o Centro de Robótica de São Carlos (CROB).

No ano passado, houve um recorde de participação na região: 200 equipes de escolas públicas e particulares disputaram a modalidade prática. Em 2014, quando a cidade sediou pela primeira vez a etapa regional da OBR, houve 99 equipes inscritas.

Para motivar e preparar os alunos e as escolas interessadas em participar da modalidade prática da competição, foi organizado um curso preparatório no ICMC, no qual se inscreveram mais de 100 participantes. A etapa regional da OBR em São Carlos tem o apoio do ICMC, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, da prefeitura municipal de São Carlos, do CROB, do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), da escola Yadaa e das empresas PETE e Ca and Ma.

Denise Casatti/Assessoria de Comunicação do ICMC
.

Rádio USP

A professora Roseli Romero também conversou com a repórter Marcia Avanza sobre a expansão que o ensino de robótica vem ganhando no Brasil e sobre o desenvolvimento das atividades nas escolas.

Acompanhe a entrevista:

logo_radiousp
.
Mais informações: (16) 3373-9622 ou eventos@icmc.usp.br

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados