Times de programação da USP são finalistas de competição mundial

Alunos estão entre os melhores da América Latina na “Maratona de Programação”, cuja final será em 2018, na China

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
No total, 72 times participaram da final nacional da Maratona de Programação. Competidores posam em frente à Usina Hidrelétrica de Itaipu – Foto: Divulgação

Não seria exagero comparar a grandeza da Usina Hidrelétrica de Itaipu com a dos 72 times brasileiros que participaram da final nacional da 23ª Maratona de Programação, nos dias 11 e 12 de novembro, em Foz do Iguaçu. Mergulhados na resolução de 13 desafios de programação, havia ao menos 288 estudantes, levando em conta que cada equipe possui três competidores e técnicos. Com a exceção do Amapá, times de todos os estados brasileiros participaram da maratona.

Realizada simultaneamente em toda a América Latina, a competição contou com 443 times, sendo que os brasileiros se destacaram: entre os 20 primeiros colocados, 14 foram do Brasil. E o maior vencedor foi a USP.

A equipe campeã brasileira e latino-americana de 2017 é a do Instituto de Matemática e Estatística (IME). Chamado de  ¯\_( “/ )_/¯, o time é formado por Yan Couto, Victor Sena Moleiro e Arthur Nascimento e os técnicos Renzo Gomez e Marcos Kawakami.

Time do IME ¯\_( “/ )_/¯ foi o grande vencedor da competição – Foto: Divulgação

A outra medalha de ouro veio da USP em São Carlos, o Trei Linha é composto por Samuel Ferreira, Lucas Pacheco e Rodrigo Weigert, todos estudantes do curso de Ciências de Computação e membros do Grupo de Estudos para a Maratona de Programação (GEMA) do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC).

Os dois técnicos que orientaram a equipe também são do GEMA: Bruno Sanches e Danilo Tedeschi, alunos de mestrado do instituto. Eles conhecem bem a trajetória de um maratonista-programador ou de um programador-maratonista, pois conquistaram a medalha de ouro na Maratona de Programação em 2015 e já participaram de uma final mundial da competição, realizada na ilha de Phuket, na Tailândia, em maio de 2016.

“A estratégia de passar o conhecimento obtido nas competições de uma geração de estudantes para outra tem sido muito bem-sucedida, conforme mostram os excelentes resultados alcançados nos últimos anos pelo Instituto”, explica o professor João Batista, que coordena o GEMA. “É um ciclo virtuoso que precisamos manter: os ex-competidores treinam os atuais participantes. Em termos técnicos, os ex-competidores conhecem mais sobre os desafios de programação do que os professores e sabem quais lacunas precisam ser eliminadas para que os estudantes possam seguir adiante”, revela João, que acompanhou os alunos durante o desafio em Foz do Iguaçu.

A prova ocorreu no Cine Teatro Barrageiros, no Parque Tecnológico de Itaipu, que ficou todo colorido. A cada problema resolvido, as equipes ganhavam um balão.  – Foto: Divulgação

A USP também ganhou a medalha de prata com outro time do IME: o dog hits dog. Formado pelos estudantes Gabriel Oliveira, Nathan Benedetto Proença, Pedro Sousa, o time teve orientação dos técnicos Renzo Gomez e Marcos Kawakami.

O time IME – Lorem Ipsum trouxe o bronze com Athos Cotta Couto, Naum Azeredo Fernandes Barreira, Matheus Cariús Castro e Carla Cosenza (reserva) e os técnicos Claudia Justel e Geraldo Avelino.

A conquista colocou os times da Universidade entre os melhores da América Latina e garantiu a eles o direito de participar da final mundial da competição em Beijing, na China, que será realizado entre os dias 15 a 20 de abril de 2018. É a terceira vez que uma equipe da USP é campeã da maratona em 22 edições da competição e será a 15ª vez que a Universidade representará o Brasil em uma final mundial.

Com informações de Denise Casatti, da Assessoria de Comunicação do ICMC

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados