Startup de estudantes da USP gerencia competições e eventos virtuais

Diversas soluções que tiveram origem em maratona tecnológica na Universidade ajudam no treinamento, consultoria e otimização de desafios de inovação aberta como hackathons e desafios de startups

Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=348002

Softwares e ferramentas ajudam a proporcionar experiências específicas de eventos e competições  – Foto: Divulgação/EESC

.
A pandemia do novo coronavírus obrigou muitos profissionais a mudarem a dinâmica de trabalho para se adequar às novas recomendações de distanciamento social. Os organizadores de grandes eventos e competições, por exemplo, precisaram se reinventar, tendo muitas vezes que recorrer ao mundo virtual para seguir promovendo suas atividades. No entanto, se a plataforma utilizada para administrar o evento na internet não for adequada, uma série de problemas podem atrapalhar seu desenvolvimento, comprometendo o engajamento do público. Para promover experiências de qualidade aos participantes e evitar que situações indesejadas aconteçam, estudantes da USP em São Carlos criaram uma startup voltada para o gerenciamento de eventos on-line.

Batizada de Kosmos, a nova empresa oferece, por meio de softwares, diversas funcionalidades que incluem a realização de uma competição, como procedimentos para inscrição de participantes, formação de equipes, acompanhamento das atividades realizadas em tempo real, comunicação entre o staff e o público, divulgação de notas e avaliações de jurados, entre outras. Outro serviço que será oferecido pela startup, direcionado para eventos em geral, é a criação de ambientes personalizados em 3D capazes de simular virtualmente uma atividade, como se ela estivesse sendo realizada de forma presencial. Cenários com estandes para exposições e auditórios para a exibição de palestras e apresentações gravadas ou ao vivo são alguns exemplos do que pode ser projetado. Através de um tour virtual em 360º, a ideia é que os convidados tenham uma experiência sensorial, com total imersão ao evento, mesmo a distância.

A motivação dos estudantes em criar a startup surgiu quando eles participaram da organização da SancaThon 2020, maratona tecnológica promovida em conjunto pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP e a empresa Cargill. A disputa desafiou os participantes a desenvolverem soluções para o mercado alimentício, que também tem sofrido o impacto da pandemia de covid-19. Em três anos de competição, essa foi a primeira vez que o evento não foi realizado de forma presencial: “Desde o início percebemos que seria um grande desafio promover um hackathon totalmente online, pois, diferente de um evento presencial em que arrumamos algumas mesas, cadeiras e um grande salão para todos os participantes trabalharem, nós precisamos de plataformas capazes de hospedar toda a experiência da disputa”, conta Matheus Jacobsen, estudante do curso de Engenharia Elétrica da EESC e um dos fundadores da Kosmos.
.
.
Os estudantes Luis Benedicto, Humberto Guenzo Yoshimoto Tello, Matheus Marques Jacobsen, Mateus Fernandes Dolmo e Rafael Abbud se uniram para criar plataforma de gerenciamento de eventos virtuais – Foto: Kosmos/Divulgação

.
Após pesquisarem por ferramentas virtuais que pudessem gerenciar o evento, os jovens escolheram uma plataforma desenvolvida no exterior. No entanto, assim que a SancaThon teve início, algumas limitações do software selecionado atrapalharam o desenvolvimento da maratona: “A falta de centralização das informações foi, com certeza, nossa maior dificuldade em toda a competição. Com a necessidade de uma plataforma externa de comunicação, nossos colaboradores muitas vezes se sentiram perdidos com tantas informações e não conseguiam acompanhar nossos avisos, lembretes e discussões. Isso prejudicou consideravelmente a experiência de nossos participantes, mentores, jurados e parceiros”, explica Matheus.

Além disso, os organizadores tiveram problemas para receber os materiais desenvolvidos pelas equipes, fazendo com que adiassem em uma hora o prazo de entrega dos pitches pelos grupos. “Neste momento nos demos conta da grande oportunidade que estava na nossa frente e era preciso agarrá-la com toda força e determinação. Foi a partir desse cenário que surgiu a Kosmos, uma startup de tecnologia e eventos voltada para o treinamento, consultoria e otimização de desafios de inovação aberta, que incluem não só hackathons, mas ideathons, desafios de startups e muito mais”, conta Humberto Tello, sócio da empresa e aluno do curso de Sistemas de Informação do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP.

.

É possível simular a visita virtual a estandes e outras experiências de eventos – Foto: Divulgação/Kosmos

.

Campo promissor

Os idealizadores da Kosmos contam que o mercado de plataformas para gerenciar eventos é mais forte em países desenvolvidos, como Inglaterra e Estados Unidos. Já na América Latina, eles afirmam que esse tipo de produto está começando a ser notado agora, mas ainda não é algo comum. “As principais limitações que enxergamos nas plataformas existentes são o alto custo e descentralização dos processos, justamente os pontos onde moram nossos diferenciais. Nós queremos aproveitar esse momento do mercado brasileiro e atuar em duas frentes principais: a democratização do acesso a esse tipo de evento e sua promoção de forma cada vez mais rápida, fácil e intuitiva”, diz Matheus.

Estar antenado no mercado é fundamental para o sucesso de um negócio, ainda mais no caso da startup são-carlense, que atua em um segmento que se transforma muito rápido: “Por trabalharmos com tecnologia, estamos inseridos em um mercado extremamente dinâmico, no qual devemos estar sempre atentos às novidades que surgem a cada minuto. Por isso, precisamos pensar em como tornaremos nossa ideia atrativa tanto para nós como para nossos futuros clientes, com algo que tenha real potencial de mercado”, afirma Humberto.

Para construir e lapidar o modelo de negócio da Kosmos, os desenvolvedores estão contando com a mentoria de docentes da USP, por meio do Centro Avançado EESC para Apoio à Inovação (EESCIn), que funciona como uma ponte de transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos desenvolvidos nos laboratórios da Universidade para o mercado. “Essa orientação está sendo um grande aprendizado para toda nossa equipe. Poder contar com a experiência de docentes da EESC para nos aconselhar, nos deixa mais seguros e conscientes nas tomadas de decisão para a startup”, revela Matheus.

O primeiro passo para mostrar a ideia da empresa ao público foi dado no último dia 12 de agosto, quando os criadores a apresentaram no Food Tech Expo, exposição virtual de startups do setor alimentício de toda América Latina e que tem como objetivo conectar empresas que estão iniciando sua jornada com investidores e grandes corporações. Durante o evento, a Kosmos obteve mais de 500 acessos na plataforma, realizou quase 200 reuniões de negócios e superou 1.200 visualizações em seu site. “Nosso desejo é que a Kosmos ganhe presença em todo território nacional e se torne referência em tecnologia em eventos virtuais e na realização de desafios de inovação”, finalizam os sócios da startup.

Além de Matheus Jacobsen e Humberto Tello, também são sócios da Kosmos: Rafael Abbud, estudante do curso de Engenharia Elétrica da EESC; Mateus Fernandes Doimo, aluno do curso de Engenharia de Computação da USP São Carlos, oferecido em conjunto por EESC e ICMC; e Luís Henrique Barros Benedicto, engenheiro de produção formado pela Uniseb. Confira mais informações no site: www.kosmosbrasil.com.br

.}
.

Texto: Henrique Fontes – Assessoria de Comunicação do SEL/USP

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.