Rappers e professor da USP explicam economia em canal no YouTube

Canal do Por Quê? ajuda público a entender como a economia afeta seu cotidiano e a possibilidade de organizar suas finanças

Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=245367
Professor Mauro Rodrigues e os rappers Rafael Gomes (MMoneis) e Denise apresentam, entre as séries do canal, a Guetonomia, focada no público da periferia – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

.

Previdência, bolsa de valores, sobe e desce do dólar, PIB, como investir o dinheiro. Todos os dias na internet, televisão e jornais se fala desses assuntos. Mas você entende o que eles significam? Um canal no YouTube se propõe a explicar economia de um jeito fácil. E quem ajuda nessa tarefa são dois rappers e dois professores de economia, sendo um deles da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, em São Paulo.

O Canal do Por Quê? se descreve como um divulgador de ferramentas para que o público forme sua própria opinião e seus questionamentos. E, claro, desmistificar a economia e acabar com o “economês”.

“Ninguém entende o noticiário. Fica uma conversa meio que entre economistas, com termos supercomplicados, não deixando entendível para o telespectador”, afirma Mauro Rodrigues, professor da FEA. O outro economista que possui inclusive uma série no canal é Carlos Eduardo Gonçalves.

O trabalho do Mauro é explicar de forma fácil os conceitos econômicos, enquanto Carlos fala mais da economia em si, com sua série Fala, Dudu!. Já os músicos Denise Alves e Rafael Gomes (conhecido como MMoneis) são, respectivamente, produtora e analista de conteúdo dos vídeos. Eles são rappers e aproveitam a música para deixar o assunto abordado mais interessante.

Há quase um ano no Canal do Por Quê?, a série Guetonomia tem foco em explicar termos da economia – Foto: Reprodução / Guetonomia via Youtube

A entrada dos músicos no projeto surgiu a partir da produção de uma trilha sonora do MMoneis para o Canal do Por Quê?. “Como eu sou rapper, fiz um trabalho com música para uma série chamada Sem Patrão. Em seguida, surgiu a oportunidade de falar sobre economia no Por Quê, aproveitei e convidei a Denise para me ajudar”, conta Rafael.

O canal é da editora Bei, sediada na capital paulista, e está completando quatro anos no YouTube. Além de falar da economia e seus conceitos, eles não esqueceram da educação financeira, ou seja, o planejamento que as pessoas devem fazer com o seu dinheiro. “As pessoas têm muita dificuldade com a gestão do próprio dinheiro”, diz Mauro. Para Denise, em geral, ainda somos analfabetos financeiros. “As pessoas querem saber como investir o dinheiro, o que fazer com o FGTS.”

.

.

.

Economia para periferia

O canal possui várias séries. Uma delas é a Guetonomia, lançada há quase um ano e focada no público da periferia. Ela é apresentada por Denise, Rafael e Mauro, que se organizam para publicar vídeos semanalmente.

A cantora, intérprete, MC (chamado de mestre de cerimônias) e “mais um monte de coisa”, segunda sua definição, Denise conta que essa série proporcionou um compartilhamento de conhecimento sem igual. “Hoje, minha cabeça pensa totalmente diferente da Denise que entrou nesse projeto na sua concepção, há quase um ano.”

Tanto Denise quanto Rafael são moradores do Grajaú. Rafael sonha em atingir mais pessoas no bairro, onde “há uma cena muito forte do empreendedorismo”. De acordo com o rapper, “essa região da capital paulista possui uma economia enorme, principalmente a criativa. Por isso quero que Guetonomia cresça.”

Para Denise, a economia é importante não só para quem estuda e pensa em economia. “Mas também para quem movimenta a economia, que somos nós que estamos na periferia e em todos os lugares possíveis.”

O professor Mauro acredita que os vídeos são uma oportunidade de interagir com um público que ele não está acostumado. E esse diálogo transforma inclusive a linguagem. “Paramos de falar em termos técnicos e falamos de forma mais simples. Ainda mais na economia, que tem essa linguagem e terminologia toda rebuscada.”

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •