Química é Vida: será que sabemos tomar sol?

No dia 17, palestra trará os benefícios e malefícios da exposição à luz solar, e como se prevenir contra doenças causadas pelo excesso e falta dela

Por - Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=265486
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Fort Meade on Visual hunt / CC BY

Você já se perguntou como o filtro solar nos protege dos raios solares e ao mesmo tempo permite nos bronzearmos? Esses mecanismos podem ser perigosos para nossa pele? Pode parecer inusitado, mas tomar sol sem protetor solar pode ser mais saudável para o nosso corpo como um todo, e não apenas para a pele, segundo o professor Maurício da Silva Baptista, do Instituto de Química (IQ) da USP, em São Paulo. No dia 17 de agosto, às 10h30, ele realiza a palestra Sabemos Tomar Sol?, na biblioteca Mário de Andrade, no centro da capital.

Todos sabemos que o excesso de exposição solar pode causar danos à pele, mesmo protegendo-a com protetor solar. Isso ocorre porque os filtros protegem apenas contra uma parte da luz solar, os raios UVB e uma parte dos raios UVA. Os raios UVB são os responsáveis pelo avermelhamento da pele, tendo em vista que estes agem diretamente no DNA das células desta parte do corpo.

Esta ação no DNA causa um efeito inflamatório, que é a origem da vermelhidão. “A meu ver, os produtores de filtros solares deveriam disponibilizar essa informação aos usuários, ou seja, deveriam colocar nos rótulos um aviso de que esse produto somente oferece proteção parcial”, conta o professor Maurício. “Como as pessoas não ficam vermelhas quando passam filtros solares, são induzidas a pensar que estão eficientemente protegidas e não estão”, alerta.

Porém, a crença de que o sol apenas oferece malefícios é infundada. “Evidências científicas têm mostrado que a exposição moderada sem proteção é benéfica para o nosso corpo”, conta Baptista. A síntese da vitamina D, composto benéfico para os ossos e músculos e que fortalece o sistema imune, ajudando a prevenir uma diversidades de doenças — inclusive o câncer —  é o benefício mais conhecido da luz solar.

Outros pontos positivos da exposição ao sol que vêm sendo estudados serão tema da discussão. Dois exemplos são o estímulo das opsinas, proteínas detectoras de luz que auxiliam no funcionamento do sistema imunológico, e a produção de óxido nítrico, que ajuda a regular a pressão arterial.

O objetivo do evento, porém, não é incentivar você a tomar sol sem proteção! Mas sim explicar que, apesar da exposição prolongada ao Sol, mesmo protegidos, oferecer malefícios ao nosso corpo, tomar sol por breves períodos sem filtro pode ser mais proveitoso para desfrutar desses benefícios. Segundo o professor, “o problema é saber quanto cada um pode se expor, o que depende de muitos fatores, da pessoa e do ambiente em que ela vive”.

A palestra faz parte da série Química é vida, na qual professores e pesquisadores da USP ensinam de forma simples como a química está presente no nosso cotidiano. As palestras são gratuitas e não requerem inscrição, e acontecem todo terceiro sábado do mês. Você pode conferir a programação completa no site da série.

Mais informações: site: http://e.usp.br/d74,  Twitter: @quimicaevida, tel.: (11) 3091-3843, e-mail: ccex_iq@iq.usp.br

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •