Psicoterapia a distância é resposta a um momento global de crise

Profissionais do Escritório de Saúde Mental da USP alertam para as exigências desta modalidade; tecnologia, ética e contexto social repercutem no tratamento

Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=345011

Foto: Pexels CC


Quando o distanciamento social começou, em meados de março, o Escritório de Saúde Mental (ESM) da Pró-Reitoria de Graduação da USP já utilizava um formulário digital, que servia como primeiro contato entre os estudantes e a possibilidade de ajuda. Nele, os alunos podiam expressar os motivos que os levaram a buscar o acolhimento psicológico e as principais queixas. Com a chegada da pandemia, o registro on-line precisou evoluir para um atendimento feito exclusivamente a distância e, com ele, todos os desafios éticos e tecnológicos que permeiam a psicoterapia no ambiente virtual.

A psicoterapia on-line foi regulamentada em novembro de 2018 pelo Conselho Federal de Psicologia, mas a escassez de produção científica no Brasil e a segurança dos dados dos usuários estão no radar dos profissionais, mais do que antes. Conforme os serviços de psicologia optam por utilizar aplicativos gratuitos e soluções mais acessíveis para as conversas, o armazenamento das informações e até seu uso para fins publicitários seguem negligenciados.

Nara Helena Lopes Pereira da Silva: dialogando com outras áreas para um atendimento ético e seguro – Foto: Reprodução

Para lidar com essas questões, a pesquisadora e pós-doutoranda do Instituto de Psicologia da USP e bolsista da Fapesp Nara Helena Lopes Pereira da Silva passou a investigar o processo de psicoterapia mediado pelas tecnologias de informação e comunicação. “Fizemos estudos aprofundados sobre legislação da internet, direitos e deveres dos usuários, sobre experiências internacionais e, a partir disso, avaliamos os melhores aplicativos, as questões éticas recomendadas internacionalmente. Em especial, a veiculação on-line das informações de maneira segura. Tivemos que dialogar com outras áreas, como tecnologia, direito, para pensarmos em um contrato de prestação de serviços on-line e para desenvolvermos uma plataforma para inserção dos dados com segurança, como faríamos com os prontuários.” Ela explica que seis meses após esses estudos, foram iniciados os atendimentos para sua pesquisa e registros das sessões, com aplicação de formulários e instrumentos de avaliação psicológica.

Com o projeto em andamento, Nara, que já havia trabalhado no desenvolvimento do registro on-line inicial do ESM, passou a colaborar também na transição da estrutura de atendimentos face a face do escritório para o ambiente virtual . O registro inicial não tem fins de diagnóstico psicológico, mas traça um perfil das necessidades do aluno, além de funcionar como uma resposta rápida à procura. “Neste momento, não se trata de um atendimento on-line usual, mas sim de um momento global de crise. Fizemos uma capacitação com todos os psicólogos colaboradores, desde a parte tecnológica à ética, preparamos um material informativo na internet para os alunos saberem sobre o atendimento antes de iniciar as sessões, capacitamos quanto ao tipo de recurso a ser utilizado e as condições de conexão dos alunos, pois um tratamento por videochamada é diferente de um atendimento por mensagem ou por voz”, conta Nara.

 

Os atendimentos do Escritório de Saúde Mental da USP estão sendo realizados pelos aplicativos Google Meet ou Google Chat.

.

“Não podemos comparar o trabalho remoto com o presencial”, afirma o coordenador do ESM, Andrés Eduardo Aguirre Antúnez. Para ele, o profissional deve considerar o contexto familiar, social e como os prejuízos causados pela pandemia podem intensificar conflitos ou angústias. No entanto, ele acredita que o uso excessivo da tecnologia seja um problema menor do que a falta de relações significativas, “seja face a face, fisicamente ou mesmo a distância”.
.

Desafios de sempre

Andrés Eduardo Aguirre Antúnez: escutar e criar vínculos – Foto: Reprodução.

A preocupação com o sofrimento mental dos estudantes universitários tem aumentado na medida em que aumentam, também, os casos de adoecimento neste público, em especial nos estudantes dos cursos de saúde. Entre os fatores estão: a adaptação à rotina de estudos, a privação de sono, as dificuldades financeiras, as incertezas profissionais, além do desempenho acadêmico e a competitividade.  .

Os principais sintomas descritos pelos estudantes são angústia, depressão, ansiedade e, em alguns casos, ideações suicidas. “Dos últimos quase 300 estudantes que nos procuraram (no Escritório de Saúde Mental) nos últimos oito meses, cerca de 42% admitiram ter ideações suicidas”, cita Antúnez. A procura pelo escritório aumentou no mês de junho, que coincide com o final do semestre. “A maioria dos casos dos jovens não se refere, necessariamente, à questão da quarentena, nem da pandemia. Mas a quarentena e a pandemia possibilitam que eles comecem a refletir e trazem questões da sua história de vida”, diz.

.

Foto: Yury Klochan/123RF

Um estudo multicêntrico realizado na Faculdade de Medicina da USP identificou que
a alta prevalência dos sintomas de depressão nos estudantes de medicina brasileiros
é pelo menos 13% superior à prevalência mundial

.

+ Mais

Atendimento psicológico em grupo resgata senso de pertencimento na USP

Na contramão da tendência mundial, o Brasil apresentou uma taxa de crescimento nos números de suicídio entre jovens, representando a quarta causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos entre os anos de 2011 e 2016. No período entre 2000 e 2015, pouco mais de 85% dos casos ocorreram entre jovens de 15 a 19 anos. “Esses dados mostram que não se trata de um problema local, mas a nossa Universidade está também sendo retratada em uma problemática do nosso país.” Antúnez atribui esse crescimento à falta de políticas públicas eficazes. O Brasil instituiu a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio no ano passado, como estratégia permanente de prevenção e tornando compulsórias as notificações de casos suspeitos ou confirmados.
.

Distanciamento físico, aproximação social

Todos os estudantes que chegam ao ESM passam por três sessões de acolhimento. Posteriormente, caso necessitem e aceitem, eles são encaminhados a atendimentos específicos no Instituto de Psicologia ou no Instituto de Psiquiatria da USP. Os interessados também podem participar de um acompanhamento longitudinal, por pelo menos seis meses, durante e após a pandemia. Este acompanhamento integra a pesquisa de Nara, cujo objetivo é compreender o fenômeno virtual nos atendimentos de psicoterapia on-line e presencial. Além disso, outras propostas de acolhimento aos alunos em momento crítico estão em desenvolvimento. Entre elas, uma parceria com a Faculdade de Medicina para a implementação de um aplicativo de promoção da saúde mental, o App COMVC.

“O atendimento on-line tem diversas sutilezas e precisam ser consideradas, como manejo das situações que envolvem risco físico, como ideações suicidas, violência, por exemplo, delimitação de perfis de personalidade que não se beneficiam do ambiente on-line, bem como os cuidados para que o atendimento não fique restrito somente à orientação psicológica, mas também permita um aprofundamento no processo de autoconhecimento, como se é esperado no consultório físico”, adverte a pesquisadora. Ela lembra que a saúde mental é o segundo maior problema da pandemia, após o risco da contaminação propriamente, mas indica que integrar uma rede de apoio sustentável pode amenizar os sofrimentos.

Entretanto, essa rede de apoio pode ser acionada de diversas formas. E é preciso estar atento aos sinais. Segundo Antúnez, “se a pessoa está postando uma mensagem nas redes sociais, ela está dando a conhecer a uma comunidade, não importa que seja virtual. Dentre essas pessoas, há quem se preocupe profundamente. E quem se preocupa, deveria, na medida do possível, procurar conversar com quem está postando; tentar fazer uma aproximação”. O coordenador do ESM aponta que ainda há muita resistência para a busca de ajuda especializada. “Eu até diria que não precisa, necessariamente, recomendar profissionais da ‘saúde mental’, mas iniciar pelos da saúde! Porque não é questão de ter um problema na mente ou no aparelho psíquico, mas de ter um sofrimento que atinge a pessoa em sua totalidade. E tem pessoas que são especialistas em lidar com o sofrimento”, propõe. 

.

Ouça também:

Durante pandemia, grupo da USP oferece atendimento psicológico on-line e gratuito

Restrito apenas para membros da comunidade uspiana, o atendimento organizado por profissionais do Instituto de Psicologia da USP é realizado em sessões agendadas, exclusivamente na internet

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.