Projeto que ensina ciências com filmes e séries vai debater clonagem humana

Projeto Cinegenoma do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP está na sétima edição com debate sobre o filme “A Ilha”; transmissão pelo Youtube será nesta quarta-feira, dia 14 de abril, às 20 horas

 12/04/2021 - Publicado há 8 meses
Filme A Ilha, de 2005, é o ponto de partida para discussão sobre clonagem humana – Foto: Reprodução / DreamWorks, Warner Bros.

.

Projeto que une informação e entretenimento, o Cinegenoma é uma iniciativa do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) da USP que coloca em debate grandes temas da ciência a partir de filmes e séries de tevê. Com a primeira edição realizada em agosto de 2020, a iniciativa tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e está em sua sétima edição com uma live sobre o filme A Ilha, de 2005, que será exibida nesta quarta, dia 14 de abril, às 20h, no Canal do Youtube do GenomaUSP. O filme não será exibido, mas está disponível nas plataformas de streaming como YouTube, Google Play e Net Now.

Thriller de ficção científica, A Ilha retrata uma distopia em que a clonagem humana é praticada por uma empresa, que atua como um seguro de vida para os mais endinheirados. A princípio, os clones deveriam ficar inconscientes, mas, quando a empresa descobre que os órgãos não se desenvolvem corretamente sem essas pessoas estarem ativas, constrói um submundo clandestino onde tudo é controlado. Os clones acreditam que o mundo foi contaminado e a sua única chance de sobrevivência é ir para a Ilha, o que acontece quando, na verdade, eles são sacrificados após serem usados como barriga de aluguel ou porque o segurado precisa de um transplante de órgão.

Cientistas já podem clonar seres humanos? Os clones poderiam ser criados com a idade desejada? Um clone é uma pessoa igual ou diferente do seu “original”? A reposição de órgãos por clones poderia mesmo fazer as pessoas viverem mais? Existiria desigualdade no acesso a essa tecnologia? Quais são os limites éticos da clonagem humana? Essas são algumas das questões que estarão em debate no Cinegenoma, com os convidados Ernesto Goulart, pesquisador em bioengenharia no Instituto de Biociências (IB) da USP, e Bruno Carmelo, editor e crítico de cinema do site AdoroCinema, além de Leonardo Lima, professor de biologia nos colégios Giordano Bruno e Albert Einstein. Para quem não puder acompanhar ao vivo, o evento ficará disponível no canal do YouTube do GenomaUSP. 

O objetivo do Cinegenoma é aliar ciência e entretenimento em uma live informativa e descontraída. As produções culturais são grandes aliadas na divulgação científica sobre genética, pois permitem tratar de temas por vezes complicados e abstratos de forma leve e interessante. A ideia é também incentivar professores de biologia a usar filmes em aula, fornecendo material estimulante e útil, em especial neste período de isolamento físico. As edições anteriores do evento estão disponíveis on-line, neste link.

O organizador do evento, o CEGH-CEL, é a maior instituição de atendimento a pessoas com doenças genéticas da América Latina, além de ser um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid), financiado pela Fapesp. Realiza pesquisas em Genética Humana e Médica, mantém um serviço de aconselhamento e testes genéticos para a população e desenvolve atividades ligadas à educação, à difusão do conhecimento e à transferência de tecnologia. 

.

Cinegenoma – A Ilha: é possível clonar humanos? 

Ao vivo, dia 14 de abril de 2021, quarta-feira às 20h no youtube.com/genomausp 

.

Acompanhe o Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco (IB/USP): 

https://www.youtube.com/genomausp
https://www.instagram.com/genoma.usp
https://www.facebook.com/genomaUSP

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.